Páginas

Minhas Aventuras

"After climbing a great hill, one only finds there are many more hills to climb"
Nelson Mandela

domingo, 10 de julho de 2011

Chauás Juquiá 3a Etapa

Geralmente eu chego cansada do fds e deixo pra fazer o relato da prova num outro momento, até pra dar tempo de digerir toda experiência.

Mas por conta de tudo que aconteceu ontem, estou mais é precisando desabafar.

Eu estava super animada para esta etapa da Chauás, pois na primeira prova do circuito em Fevereiro eu e o Tarcísio ficamos em segundo lugar na light. Era começo do ano, eu tinha acabado de começar a treinar e não esperávamos nos sair tão bem. Seis meses depois, treinando firme e com bagagem para fazer uma prova num ritmo forte, eu estava pronta para dar tudo de mim e "lutar" pelo meu segundo troféu no circuito.

Aí aconteceu algo bizarro: por conta de alguns desencontros, sai do hotel separada do meu dupla e fui pro AT das Bikes num outro carro com mais 4 pessoas [duas duplas mistas light]. Só que.... nós tínhamos pegado uma referência errada de onde era o Chauás Club - local da largada - e pra resumir, depois de muito nervosismo só conseguimos chegar lá mais de 20 minutos depois do Lucas ter liberado o pessoal pra prova de aventura "de verdade".

Eu caí aos prantos quando encontrei com a Paula e a Lívia que estavam nos dando apoio: elas me deram a notícia de que eu teria que seguir sozinha, pois o Tarcísio já tinha ido [lembrando que o celular não pegava em nenhum lugar, as pessoas na rua nos davam informações desconexas e ninguém tinha idéia do que tinha acontecido com a gente - chegaram até a cogitar um acidente de carro... tenso].

Nem passou pela minha cabeça não fazer a prova. Vesti a camiseta, coloquei o número e sai com as outras duas duplas [Vitor + Débora e Gui + Gi Cirilo] que estavam comigo no carro.

Foi um tirinho de 2k até a canoa canadense. Lá tinha a opção de pegar uma canoa só pra mim, mas nunca tinha ido sozinha nessa modalidade e ela tem 3 lugares. Então peguei "carona" com a Débora e o Vitor. Eu fui na frente, a Débora no meio e o Vitor fazendo leme. 

Tirando a parte que o Vitor desequilibrou quando subiu na canoa e fez todos cairem na água como que pra batizar [ou talvez pra me dar um gosto de "pior não fica"], deu pra seguir muito bem. 

Só nisso o Gui+Gi abriram super da gente, suficiente pra eu não conseguir alcançá-los no trekking ao fim da canoagem [o Vitor nunca treinou corrida na vida dele, aliás, ele odeia correr! Então o ritmo deles seria bem mais tranquilo que o Gui com a Gi, por isso pensei em tentar alcançar].

Ah, e só pra lembrar, eu não tinha mapa e nem fazia idéia de como ele era, o Tarcísio estava com tudo pronto e não me preocupei de ver com antecedência [achava que ia ter tempo de sobra antes da largada pra conversar tudo com ele].

O jeito foi encarar a corrida como um treinão, relaxar e procurar curtir o momento. Muitas vezes abri deles, mas logo vinha uma bifurcação ou um caminho duvidoso e eu tinha que parar. As vezes dava pra seguir pelas pegadas, as vezes tinha algum morador/trabalhador que me dava uma dica, as vezes eu voltava ao encontro deles, e outras vezes tentava as duas alternativas para ver se tinha alguma mais óbvia. Sei lá, qualquer coisa pra não ficar parada.

[Aqui um vídeo que fiz no começo do trekking, não repare no audio ruinzinho]

Nesse meio tempo corri muito sozinha, sem cruzar com mais ninguém. Só ouvia eu e os bixinhos no mato. E a dúvida: vai que tinha outro caminho e eu to errada? Que que eu to fazendo? Logo uma Chauás sem mapa? Etc...

 Em determinado momento, ou melhor, em determinada bifurcação [vídeo abaixo], decidi esperar os dois e dali em diante foi só navegação nas trilhinhas e canyoning. O Dario da Eu Vou estava próximo da gente, fizemos uns trechos juntos [companhia sempre divertida!].


Quando acabou esse trecho e chegamos na estrada, o Vitor teve uma idéia brilhante: viu que não tinha mais muito erro até o PC4 e sugeriu que eu decorasse o mapa e seguisse no meu ritmo. Foi o que eu fiz. No que eles pararam numca casinha para reabastecer de água eu engatei segunda e parti pro ataque. Fui embora.
Tirei uma foto do mapa antes de seguir sozinha
Conforme passava pelos moradores da região perguntava se tinham outros "E.T.s" passando por ali só para garantir.

Para meu alívio logo cheguei no PC4. Cai aos prantos de novo quando o staff se recusou a me dar informações sobre o percurso [só depois ele se deu conta que eu era a Lebreira solo, pediu desculpas e me deu uma dica].

Segui. Para a minha surpresa alcancei uma dupla mista. Pedi ajuda pra menina clipar meu colete no camel igual ao dela, era bem melhor do que o jeito que eu tava. Me despedi e segui na quinta marcha.

PC5- AT de bike. Choraminguei de novo. A Tulasi, que sempre trabalha na organização [sempre cruzo com ela, é muito querida] sabia o que tinha acontecido, perguntou como eu estava, me parabenizou pela força, disse que eu merecia estar com o Tarcísio liderando a prova [sim, ele estava em primeiro]. Imagina se eu não me emocionei... Antes de partir dei aquela colada na planilha pra saber quem era meu próximo alvo. Eu estava apenas ha 4 min dele.

Segui. Alcancei mais uma dupla a querida Estela e o Rodrigo. E logo na frente mais uma dupla que eu não conhecia. Fiquei com eles, pois logo iniciaria uma trilha e eu não tinha a menor idéia de onde seria.

PC6 - single track/trilha. Eu e as duas duplas entramos juntos na trilha. A "se-achona-pós-Haka-MTB" aqui quis dar uma de gostosona e pedalar naquele barranco. O resultado foi um capote triplo lateral de uns 3 metros. Sorte que era tudo folha caida no chão, num machuquei nada. O Rodrigo ajudou a me desenroscar da bike [consegui enroscar meu pé não sei como] e seguimos.

Mais pra frente encontramos com outro atleta, o Christian. Tinha sido abandonado pelo dupla dele e ia terminar sozinho. Ele me ajudou nas horas que o homem ajuda a menina sabe? [Tipo descer a bike numa ribanceirazinha]. Mas enquanto ele descia a minha bike eu descia com a dele hahahaha.

Riosinho cruzado e bora pra perna final de bike, uns 10k de estradão até a chegada.

Aí eu estava no meu modo feroz do tipo "nem minha calça caindo ia me fazer parar" [e eu conferindo se a blusa estava comprida suficiente, cobrindo tudo]. E bora volantão pedalar forte pra chegar logo.

Quando menos esperava, cheguei na entrada do Chauás Club. Mas foi tão inesperado que eu passei reto. Ainda bem que eu não sou completamente desligada e percebi que eu tava cruzando o rio de novo e isso não fazia sentido. Corrigi a direção, e pedalei o último km rumo o pórtico.

Choro, mimimi, abracei o Gui e a Gi que chegaram 10 min antes de mim, garantindo o terceiro lugar [baita recuperação!] e uffff.
Mais ou menos 30 minutos depois o Vitor e a Débora chegaram.

Vitor + Débora na chegada
 O Tarcísio, mesmo correndo 14k a mais para recuperar o mapa perdido chegou 2 minutos na frente da dupla mista que ficou em primeiro lugar [Chauás Light não tem categoria solo...]. Tratorzinho. É, realmente tínhamos tudo pra arrebentar na prova, mas dessa vez ela serviu de lição para MUITAS coisas. Algumas que vale até dividir aqui [caso não queira correr o mesmo risco que eu]:

1. Faça TUDO que for possível com seu dupla no dia da prova [tome café da manhã - aproveite para discutir estratégia, ver como cada um está se sentindo ou mesmo ficar falando besteira só pra entrar em sintonia num clima gostoso];

2. Vá ou no mesmo carro ou seguindo, sem se separar tanto para o AT quando para o local da largada;

3. Verifique antes como chega no AT e no local da largada. Se não tiver ABSOLUTA CERTEZA de como chegar lá, siga alguém que saiba;

4. Se possível, faça o mapa junto com o seu dupla/navegador. Se qualquer coisa acontecer, você estará pronto para tomar as rédeas da situação e passar menos insegurança do que eu passei, por exemplo [logo, curtir mais];
5. Busque parcerias sintônicas.

6. Não é só durante a corrida que imprevistos podem acontecer. Foco é importante principalmente quando o "trabalho" é em EQUIPE. E o trabalho é full time, não tem "largada" nem "chegada".

Bom, é isso. Chega... agora é treinar para dar a volta por cima na próxima prova.

Domingo que vem farei a Meia do RJ. Não to indo pra fazer o melhor tempo ever, mas vou cuidar e torcer para que dê tudo certo desta vez.

:-)

Boa semana a todos!  

2 comentários:

  1. Aeeeeeeeee Vivi.... Parabens pela prova! Relato show... Beijao, Dario

    ResponderExcluir
  2. Ei Vivi, que pena esta zebra hein!!! mas faz parte também!!! serve como aprendizado...

    abraços

    Daniel -> http://www.meupedal.blogspot.com/

    ResponderExcluir