Páginas

Minhas Aventuras

"After climbing a great hill, one only finds there are many more hills to climb"
Nelson Mandela

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Meu primeiro Triathlon - Troféu Brasil Santos 11.12.11 [5ª etapa]

Desde que me dou por gente, sempre quis viver o esporte ao ar livre.

Já fui expert em taco (ou bet), tocar o boi pro curral, fugir do ganço tentando chegar na margem do rio pra pescar, voleyball com a parede, tentativa de embaixadinha, caça ao pintinhos e outros. Não me encontrei em nenhum desses esportes, mas um pouco depois, com uns 11-12 anos descobri a corrida e o triathlon.

Comecei a correr com 15, pedi pro meu técnico de futebol me ensinar/treinar. Ele me levou no Ibira, explicou a importância do tênis adequado, me apresentou ao Polar, à volta do lago e me deu boa sorte!

Depois acabei agitando um grupo de corrida da academia, os treinos ficaram frequentes e eu participei de várias corridas de rua em SP. Barro Branco, SP Classic, Corrida de Natal da Corpore, Revezamento Pão de Açúcar e por aí vai.. Ah, teve uma nos EUA tb, a Bolder Boulder, em Boulder - Colorado (tradicional por lá).

Uma vez  a professora de educação física do terceiro colegial que cursei nos EUA reuniu todos os alunos no auditório para conversar sobre o que seria a aula dela naquele ano. No final ela perguntou se alguém naquela sala tinha interesse em se tornar um atleta profissional. E eu (hahaha fala sério..) levantei a mão.
Ela: -"What do you want to be?"
Eu: - "A triathlete".
Em um ano ela me deixou com corpo de atleta. Ok, não de tri, era mais uma tentativa de Rebeca Gusmão ou algo do gênero (todo mundo naquela aula foi obrigado a fazer hipertrofia o ano inteiro). Imagina o horror... kkk
Perto da formatura a professora tentou me convencer a participar daqueles concursos de mostrar os musculos (como chama mesmo? Esqueci agora). Afe, ainda bem que não fiz. Mas uma menina que treinava comigo fez e ganhou! óóó...

...
Depois de 1 ano fazendo corrida de aventura (foram 9) e MTB (foram 3) e completamente apaixonada por esses esportes, resolvi me aventurar no Triathlon. Minha assessoria é focada nisso e todas as minhas amigas de treino praticam. Não teve como resistir!

Pra primeira prova resolvi não me "fantasiar". Fui sem roupa de borracha e com minha bike road de alumínio. Nada de rodas, clip, elástico no tênis etc... Só uma caramanhola com gatorade pro pedal e um gel.
Na largada sempre fico naquele espírito bobo alegre, dessa vez feliz pensando que ia pular ondinhas rs.

Natação: não entendo NADA do assunto, mas acho que o mar estava bom. Tinha, apenas umas ondas tranquilas e a correnteza não estava um desastre, era "só" mirar pro lugar certo (como se fosse fácil né).

Chegar na primeira boia foi uma eternidade. O caminho pra segunda é perfeito, só que dura tipo 2 minutos e a volta pra praia não acaba nunca.

Tem uma foto minha saindo da água mas é arquivo ultra confidencial. TRASH!! Foram 16:30 nesse trecho.

Corri pra transição, peguei a bike e já queria montar nela, ainda bem que o coach estava do lado e gritou Nãaaaao (na verdade começou a rir de mim tentando tirar a bike do negócio que tava emperrada e querendo subir ali mesmo).
Transição
Corri até a linha, subi e parti pras ruas liiindas de Santos, nossa senhora, que pedal bonito.........NOT. Mas muito bem organizado. Bizarro só foi ver umas pessoas descendo da bike pra fazer o U (retorno). 20 kilometritos.

Ô pedal sofrido viu. Doia as "perna", garoava e a vista #sualynda muito motivadora (não mesmo). Parece um teste psicológico. Mas acabou em 38 minutos e parti pro "ataque final", a corrida. Prova mais "socação" ever, coração na boca full time.

Foram 5k de corrida, 2,5 de ida e 2,5 de volta. Foi nessa hora que me dei conta de que estava indo bem, pois não cruzava com as meninas que eu tinha como referência.


E aí começa o "countdown" da prova, cada metrinho a menos já é um alívio, não via a hora de acabar a tortura!!

Mas aí chegou o final!! Eeeeeee e completei meu primeiro triathlon short em 1h17min.
Pódio na categoria!!
Foi bastante estressante, mas conforme foi baixando a adrenalina e fui digerindo a experiência percebi que esse é só o começo..! :-)

Ah, alguns obrigados:
à Jujuba amiga e parceira que sem poder correr temporariamente (ou seja, tortura assistir a prova) foi torcer por nós e ficou até tarde comigo para que eu pudesse subir no pódio!!
às meninas do nosso pelotão caveirinha, ô mulherada forte!!
Maris minha fisio querida que me conserta toda semana e me proibe de ir pra Romeiros tipo.. 2x por semana.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Como não perder o pique no final do ano

Fui entrevistada hoje pelo Blog da Nike sobre como não perder o pique no final do ano. E como eles usam só algumas coisas do que escrevemos, resolvi publicar aqui o texto na íntegra para dividir com mais pessoas! Espero que gostem, Vivi

Minha principal dica para não perder o pique no fim do ano é encontrar alguma motivação pontual como uma meta ou prova.

Eu tenho a meta de baixar meu tempo de meia maratona (que é de 1h42 na meia de Amsterdã). Vou então aproveitar o pique do momento que está forte devido aos treinos para o Troféu Brasil de Triathlon neste próximo domingo e, passando a prova, continuar treinando.

Se eu parar nas férias vou perder todo treino e não vou conseguir baixar esse tempo (ou terei que recomeçar tudo...) mesmo a prova sendo só em Abril (meia da Corpore).

Outra coisa que penso é que a maioria das pessoas pára nas férias e se você mantiver o ritmo vai estar em vantagem. Na volta das férias, os grupos mais fortes estarão pegando mais leve e aí está uma oportunidade de você correr ao lado dessas pessoas, atletas mais fortes e experientes. É uma chance de evoluir junto com eles.

Quanto às festas de final de ano, irei viajar para locais onde é possível adaptar meus treinos! Será até melhor, pois novos terrenos/locais de treinos oferecem novos estímulos ao corpo (e à mente!) e isso só tem a acrescentar.

Outra coisa é conseguir conciliar as confraternizações de fim de ano com o descanso, acho fundamental não sacrificá-lo.

Quanto à comida nas festas, minha dica é SEMPRE andar com comidinhas na bolsa/no carro. Costumo ir pra cima e pra baixo com uma lancheirinha. Levo 2 ou 3 frutas para o dia, normalmente uma pêra, uma maça e uma mixirica funcionam bem.

Também levo um mix de castanhas, frutas secas, uma barra de cereal (ou de proteína), chá verde e uma garrafa de água.

Quem toma esses cuidados nesse período festivo com certeza terá menos chances de cair na tentação do panetone, dos salgadinhos/frituras ou dos exageros e poderá abrir a excessão na noite de natal e comer um pouco daquela rabanada da avó, por exemplo (humm não vejo a hora! rs).

Quanto a ficar desmotivada para correr, só me lembro de ter ficado assim num período que tive de over trainning. Normalmente quando as metas e objetivos falam mais alto do que a própria experiência que se tem a cada corrida. Procuro sempre colocar em primeiro lugar minha paixão pelo esporte, pelo ar livre, pela convivência nesse meio antes de qualquer meta de tempo/performance. Tem funcionado bem!
Se você não é tão apaixonado pelo esporte e pratica mais por questão de necessidade e por ter consciência da importância e seus benefícios, talvez essas minhas dicas não sejam tão motivantes, mas sugiro que pense sempre de forma inteligente, lembrando de todo esforço que fez durante o ano. Recomeçar é mais difícil do que começar pela primeira vez, pois você sabe que pode mais, mas tem que respeitar o tempo da volta.

Planeje suas refeições, limite os drinks do happy hour e seja forte na cabeça tb!

Boas festas, boas férias, e bons treinos! E que assim, cada mordida das douçuras de natal seja aproveitada migalha por migalha, sem culpa nenhuma! :)

GP Ravelli 3ª Etapa - Cabreúva

No dia 13/11 aconteceu em Cabreúva [interior de SP, pertinho de Itu] a 3ª e última etapa do GP Ravelli - Maratona de MTB.

Foram aproximadamente 30km de single tracks, técnica e força, passando por florestas encantadas, árvore do avatar, subida do Jair [A subida do Jair], vaquinhas amigas, pastos e muito coco de boi hehe.

Fui com meu parceiro pra toda obra Chris e ele, mesmo com febre e indisposto enfrentou a floresta comigo! Foram 2h30 de prova, linda demais! Conquistamos o 3º lugar na categoria dupla mista pró. DEMAIS!!

Valeu Vanessa e Marcio pela oportunidade maravilhosa de conhecer esse lugar incrível. Não vejo a hora de voltar!! E parabéns pela organização impecável. Estava tudo perfeito.

Estacionamento e arena ao fundo
Eu e o Chris
Pedras, MUITAS pedras pelo caminho
A piramba final
força!
minha careta de sofrimento parece um sorriso! :)
Single final
Valeu parceiro!
Troféu de pedra feito pelo projeto SAAR