Páginas

Minhas Aventuras

"After climbing a great hill, one only finds there are many more hills to climb"
Nelson Mandela

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Relato do Caminho de Santiago de Compostela - 2º dia

Dia 2 - Estella a Santo Domingo de La Calzada

21/06/2012

Acordamos para o segundo dia apreensivos em relação à dor no joelho. Enquanto eu ainda terminava de tomar meu café da manhã na padaria, o Xuxa, já pronto pra partir, ajustou o selim pra mim.

Por mais que eu tentasse (e olha, eu tentei viu) ficar pronta junto com ele, nunca consegui. Num tem jeito, mulher é mulher... Mas com certeza aprendi a ficar mais focada e agilizada no processo.

Mas enfim, incrível como um simples ajuste no selim muda tudo. A dor passou.

Estava bem fresquinho mas deu para dispensar o corta-vento, o sol brilhando indicava que o dia ia esquentar. E se esquentou...
Fonte em um pueblo pelo caminho (todo pueblo tem sua fonte!)
Depois do meu record pessoal do dia anterior de pedal mais longo, que mais subiu e de passar mais tempo em cima de uma bike (uhuu 3 em 1!), este segundo dia tinha que ser mais leve. E leve em Xuxanês quer dizer 100 kilometros! haha Com 1.700 de elevação acumulada. Tá bom pra vc? rsrs E lá fomos nós!
Pausa para navegação: cade o caminho?
A estratégia era focar no destino mais próximo, no pueblo seguinte, na próxima parada para uma coca-cola, planejar um sorvetinho de lanche e assim vai.
Pueblo pelo caminho
Neste dia passamos por uma outra grande cidade: Logroño. Queríamos almoçar lá.

Igreja em Logroño
Logroño também possui 2 lojas de legais de bike. Uma maior, revendora Specialized e outra que é  uma boutique de ciclismo que vende mais Scott, Assos e uma outra marca mais legal que a Assos que esqueci o nome agora.

Com medo da Siesta chegar e das lojas fecharem, o Xuxa sprintou os últimos kms para chegar antes das 12h. Eu que estava morrendo de fome e sem recargas mantive meu ritmo.

Cheguei na loja um tempo depois dele para descobrir que lá não tinha siesta! hahaha Num faz mal, assim é bom que ele já gasta a energia extra!

Comprinhas feitas e corremos para o correio despachá-las para Santiago. Aproveitamos para mandar embora ítens que já não aguentávamos mais carregar, como fone de ouvido (!!! haha pra quê fone??), calça de moleton (pra quê duas peças de roupa se vc só precisa de uma para o jantar - no caso o shorts - mais leve e menor - ficou na mochila), tênis (torcendo para encontrarmos um chinelo pra comprar em Santo Domingo), meia extra (pra que duas se vai ter que lavar de qqer jeito?), e.. hm acho que foi só isso. Deu uma boa aliviada na mochila.


E fomos almoçar!

Por todo Caminho o peregrino encontra restaurantes com o chamado "Menu Peregrino". É um menu mais barato e mais simples que mata a fome e deixa pronto para seguir caminho.

Normalmente uma salada de alface, tomate, atum, azeitona, cebola e cenoura, um macarrão com molho vermelho, uma carne de porco ou frango com batata frita e água ou refri.

A partir desse dia passei a utilizar todo momento de descanso para massagear as minhas pernas e tentar liberar a fáscia. Fazia isso utilizando ou a embalagem do desodorante ou o cabo da escova de cabelo. Muitos podem não acreditar, mas isso faz TODA diferença.
Dica do MESTRE Marcão e da minha querida fisioterapeuta Maris.

é, quem diria que isso daí salvaria minhas pernas rsrsrsrs sem zueiras por favor.
Com 9h45min de transição, chegamos em Santo Domingo de la Calzada no fim do dia.

Fomos logo procurar os chinelos para ter o que calçar depois do banho. Agilizei o check-in enquanto o Xuxa comprava nosso café da manhã no supermercado.

Igreja de Santo Domingo de la Calzada
 Pena que não tínhamos uma moedinha...

Se você coloca uma moedinha esse altar se acende e ilumina todo esse dourado
Depois da rotina diária já descrita no post do dia 1 e ainda considerar que eu estava sujeita a não ter shampoo no hotel e ter que lavar o cabelo com sabonete líquido - E DEPOIS ESCOVÁ-LO (sniff), jantamos no restaurante do próprio hotel (não sobra muita energia para sair no frio). Aproveitei a tacinha de vinho do menu.


Marquinha de sol - não tem como escapar
Lembrando que a parceria dos nossos apoiadores KAILASH, GU, GORGEOUS EVENTOS e CAÇULA DE PNEUS e a assessoria da nossa querida treinadora ADRIANA NASCIMENTO, foram fundamentais nessa jornada. Vocês tiveram muita participação no sucesso de cada etapa vencida. Obrigada!!!

Acompanhe aqui todos os relatos do Caminho



3 comentários:

  1. Parabéns ! Relato objetivo e rico. Ano passado fiz percorri o caminho a pé e tenho pensado na possibilidade de fazê-lo de bike, mas a lembrança das subidas e descidas íngremes ainda me assusta. Boa sorte. Estarei acompanhando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Marcelo,
      Muito obrigada! Parabéns a você pela realização do caminho a pé! Para fazê-lo de bike, recomendo um pouco de treino e coragem. Quando não se sentir seguro no caminho, pode escolher o asfalto, sempre há essa opção nas partes mais técnicas. Se quiser mais dicas fale comigo!
      Vou escrever mais sobre o Caminho aqui no blog, em breve subo os outros relatos!
      Abs.

      Excluir
  2. Guria você gosta de uma aventura heim? esta viagem é show de bola também gostaria de fazê-la.
    Cada dia te admiro mais minha amiga.

    ResponderExcluir