Páginas

Minhas Aventuras

"After climbing a great hill, one only finds there are many more hills to climb"
Nelson Mandela

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Relato do Caminho de Santiago de Compostela - 6ª dia - A CHEGADA!

Dia 6 - Cacabelos a Santiago de Compostela - O ÚLTIMO DIA.

25/06/2012

Acordamos, fechamos as mochilas, jogamos ítens dispensáveis no lixo (prática diária) e descemos para o melhor café da manhã de toda viagem

O hotel de Cacabelos foi provavelmente um dos melhores hotéis que ficamos

Ele ficou pronto há pouco tempo e o dono é um senhor muito dedicado que provavelmente tinha uma grana preta guardada para, ao se aposentar, realizar seu sonho de construí-lo.

Nosso quarto era gigante, com muito mais espaço do que precisávamos. Nossa "bagagem" cabia em cima da mesa.
Xuxa alongando no quarto
Uma coisa engraçada dessa viagem foi  a minha dificuldade com os chuveiros. Eles soltavam da parede e o box não era fechado.

Inundei alguns banheiros por causa disso! No final virou motivo de zoação do Xuxa comigo, dizia que eu seria expulsa do Caminho. Eu tentava acobertar as pistas, mas num tinha muita salvação.. hihi

Enfim, voltando pro café da manhã... estávamos cansados e um pouco apreensivos em relação à missão do dia.

Quando você tem 200kms de viagem e peregrinação pela frente, você assume uma posição bastante vulnerável.

Aproveitei as frutas frescas e enchi o bolso da minha Kailash Matero de cerejas. Foi meu GU da manhã.


Assim como nos outros dias, apesar do lindo sol, a temperatura não passava dos 10ºC.


Nos confortava saber que em breve íamos começar a subir (o Cebreiro) e isso esquentaria nosso corpo.


Quando você tem outras coisas importantes para se preocupar, o frio não pode te parar. Nem o calor. Lá nós convivemos com essas duas situações. Você tem que ser esperto...

Pausa para tirar o corta-vento
Ponte medieval em Villafranca del Bierzo
1ª cidade após Cacabelos.
Quando falo que o caminho nos exigiu muito mais do que força física, é desse tipo de força que me refiro.

Estar disposto a lidar com tudo que existe durante uma expedição dessas exige muita força. 
 

Da mesma forma como se faz necessária a sensibilidade
Nossos sentidos devem estar alertas. 
Se eles não estiverem, o Caminho fará seu papel de despertá-los.

E  o Caminho também irá mecher e remecher lá dentro de você recrutando sua religiosidade e toda que nem sabia possuir.

Ele te aceita, do jeito que você é.

É um imenso presente que o peregrino recebe...

O resgate do sentido, seja ele qual for.

Seja seu Deus, quem ou o que você escolheu.

O Caminho te aceita de verdade.


A missão do dia era audaciosa. Ao mesmo tempo que ela iria testar nosso limite, ela era quem ia poupá-lo.
Mais um dia de caminho talvez fosse além do que suportávamos.

200kms exigiria velocidade e resistência, mesmo assim achávamos que esta era uma opção mais compatível com nossa situação.

Seguimos rumo a subida do Cebreiro e à Galícia, provincia onde se situa a cidade de Santiago de Compostela.

Meu pensamento refletia sobre o quanto precisamos para sair de casa. Percebo a tendência em nos abastecer de artifícios para enfrentar o mundo. Quase tudo, desnecessário. Você só precisa mesmo é de você. E de mais alguém.

O Cebreiro é um lugar sensacional. Pegamos alguns trechos de asfalto, mas 90% dele é em single track.

PURO MTB!


Testamos as pernas e nossa capacidade natural de recuperação diária. Essa subida foi dura!!!


Nossos suplementos eram os alimentos que podíamos encontrar pelo caminho.
Frutas, pão, carne, sorvete, suco de laranja feito na hora e Coca-Cola.


E a maior fonte de energia que tínhamos era o próprio caminho com suas paisagens e os peregrinos que se aventuram a pé.


Alcançamos o ponto de divisa das províncias. Estávamos entrando na Galícia.


Uma pedra marca esse ponto. E este moço simpático fazia uso da única sombra do local. Ele estava com o joelho debilitado.


A temperatura nesse dia chegou a 35ºC no período da tarde.


Depois de subir tudo que tinha para subir, chegou o momento tão esperado do famoso downhill que o Xuxa tanto falava.

16km de trilha, tudo para baixo!!! Vejam o vídeo abaixo de um dos trechos.




Durante a descida alguma coisa entrou no olho do Xuxa e um menino oriental muito simpático que estava ao nosso lado no momento deu um colírio para ele! "Tears" ele falava!

Nessa altura do campeonato eu chorava só de alguém olhar pra mim com um sorriso.



Que lugar!!!

E depois do Cebreiro tínhamos muito mais do incerto pela frente.


Trilhas, pueblos, florestas encantadas, cidades especiais... vivenciamos de tudo!



Sempre que possível carimbávamos nossos passaportes.

Cuidávamos para não passar batido por lugares como este.


O combinado entre nós era de não fazer nenhuma pausa longa para não perder o pique e dar aquela moleza pós almoço, por exemplo.

Peregrinos ciclistas da alemanha
A solução foi comer sanduiches em paradas curtas, de no máximo 25-30min. Dá-lhe cheeseburger.


E sempre que achávamos que as subidas tinham acabado, chegava mais uma de surpresa.


Passamos por uma região de fazendas (com um cheiro característico bem forte).

Algumas vezes tínhamos que desviar do gado pastando, atravessando as ruelas.



Quando já estávamos em um estágio maior de concentração (cansaço), avistamos de longe uma bandeira do Brasil na mochila de um peregrino. "Olha Xu, é um brasileiro!".


Chegamos perto dele e começamos a conversar! Este encontro com a gente com certeza era algo que ele não esperava!

Quando ele se virou, uma grande surpresa: ele estava todo equipado de KAILASH, da cabeça aos pés!!! Que demais!

Papeamos por uns 5 minutos, ouvimos sua história, ele começou o caminho de um ponto ainda mais distante do que nós na França e caminhava 30-40km por dia. Que pique!!! 

Ele é do interior de São Paulo. De Franca, se não me engano. 


Definitivamente um encontro especial e muito marcante. Gostaria de me lembrar do nome dele.

Seguimos.



Ah, tenho que contar uma passagem memorável (para não dizer inesquecível) sobre parte... estávamos nessa floresta encantada (foto abaixo), maravilhados com o local, exaustos, vivendo uma verdadeira CATARSE


Não estávamos indo rápido, mas eu estava no vácuo do Xuxa, por algum motivo. Aí, sabe quando você é surpreendido por algo beeeeeeeeeeeeeeeem chato? Sabe quando você está em paz caminhando pela rua e um passarinho faz cocô em você?

Então imagina quando você é completamente bombardeado de cocô (de cavalo ou boi - ainda não consigo distinguir assim tb né..) ECAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA, infinitamente ECA!

O Xuxa passou por cima e o pneu de trás dele fez o trabalho de espalhar BEM aquela m.... fresca. Tava mole. ECAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Meeeeeeu que frustração!!!!!!!!!!!!! Nóis lava a cabelera com sabonete, ok. Nóis usa a mesma roupa todo dia, ok. Nóis divide desodorante, ok. Nóis come m..... NÃO É OK!
Bom, assim que chegamos na cidade mais próxima eu mergulhei na fonte de água e depois, quando paramos para o último lanche do dia eu fui obrigada a me despedir da jersey da assessoria (Adri, desculpa, mas tive que dar um fim nela...) e a salvação foi a Dry Fit da Kailash que é fresca, protege do sol e é de manga comprida. Aí sim dá pra continuar.

Seguimos.



Depois de quase 11hs de pedal, 13h30 em transição e 172kms percorridos, a bateria do meu Garmin acabou

Ainda faltavam aproximadamente 30kms para a Catedral de Santiago de Compostela e muitos topzinhos ardidos (que fomos descobrindo ao longo do caminho, pois desconhecíamos essa altimetria final).

Já era tarde, perto das 21h.

Esse sobe e desce final foi MUITO PUNK.

A dor não era muscular, a dor era de desconforto... 

Não aguentava mais ficar com aquela roupa úmida

As partes íntimas já estavam calejadas, mas utilizávamos qualquer desculpa para pedalar em pé na bike.

Andamos mais um tanto e chegamos neste ponto.


Quando avistamos esta placa escrita SANTIAGO mal acreditávamos, estávamos perto!!!

Mas "perto" era muito mais longe do que pensávamos. Esses 25km restantes significavam pelo menos mais 1h30.


Esse pedal final foi duro e inesquecível. Não sei se é pela carga emocional ou se ele realmente é assim, um dos lugares mais mágicos que existem.

Levamos um choque quando saimos da floresta encantada e entramos na cidade. Santiago de Compostela é uma cidade grande, cheia de carros, ônibus, avenidas largas, barulho...

Íamos com cuidado, procurando as últimas conchas que guiam os pelegrinos até a Catedral, tentando não errar o caminho.

Paramos para pedir informações algumas vezes.

Entramos no Centro Histórico.

O coração bate mais forte. Dá umas pulsadas que parece que vai pular pela boca.

A cada curva as pernas adormecem mais.

A voz começa a sair trêmula.

Um filme passa pela cabeça enquanto passamos pelo labirinto do centro.

Dá para ver a torre da Catedral.

Percebo que estou sorrindo.

Um sorriso humilde e tímido.

Ouvimos um batuque diferente, seguimos ele.

Ao lado da Catedral, em uma escadaria que leva para a entrada principal uma dupla toca. Um casal ouve. Pergunto as horas. 11:00pm. Peço uma foto.


Chegamos.

Só emoção. Palavras são dispensáveis.

Gratidão.



Certificado de conclusão do Caminho Francês de Santiago de Compostela
Acompanhe aqui todos os relatos do Caminho:
Dia 4
Dia 5
Quando acaba a peregrinação
A Missa do Peregrino

Lembrando que a parceria dos nossos apoiadores KAILASH, GU, GORGEOUS EVENTOS e CAÇULA DE PNEUS e a assessoria da nossa querida treinadora ADRIANA NASCIMENTO, foram fundamentais nessa jornada. Vocês tiveram muita participação no sucesso de cada etapa vencida. Obrigada!!!  

6 comentários:

  1. Sensacional!!!

    Fantástica aventura;
    fotos excelentes;
    belo relato.

    Parabéns!

    Ralf.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ralf! Obrigada pela visita e pelas palavras! Bjos

      Excluir
  2. Amei amiga!!!!
    Quando crescer quero ser q nem vc!!! kkk
    bjao

    ResponderExcluir
  3. Relato completo e maravilhoso.
    Vocês levaram farol?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal que gostou!
      Não levamos farol, foi tenso...
      Agora não consigo me lembrar direito, mas acho que tínhamos uma luzinha vermelha presa ao canote. Mas estava bem escuro para enxergar a trilha, o farol fez falta. Mas seria um peso extra nos dias anteriores.. por isso não levamos.
      Obrigada pelo comentário! Abs

      Excluir