Páginas

Minhas Aventuras

"After climbing a great hill, one only finds there are many more hills to climb"
Nelson Mandela

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Suplementação

Ontem um leitor entrou em contato comigo, o Diego Bastos do blog Gira Pedal e perguntou sobre minha suplementação: "Queria umas dicas sua sobre suplementos, sei que isso é bem particular, mas que tipo de suplemento você costuma usar nas provras de maratona para evitar cãibras e fadiga? E conhece algum fora a cafeina para dar um animo nos treinamentos ?" 

Achei então que, em vez de responder a ele, poderia fazer um post sobre o assunto, dividir o que eu costumo usar em treinos e provas com todos vocês.

Primeiro queria ressaltar a importância do nutricionista da vida do atleta e do praticante de atividade física. A consciência alimentar é fundamental e apenas o profissional de saúde pode te ajudar com isso. 

Não pense que você vai virar um entendedor no assunto apenas através de dicas de amigos e internet. Cada um é um e o nutricionista vai saber cuidar de você e de suas necessidades particulares. [Já escrevi sobre esse tema na minha coluna no Armário Feminino, AQUI]

Tenho duas pessoas que cuidam de mim. A Nutricionista Dafne Oliveira que foi minha nutri na "iniciação" ao treinamento mais intenso focando na alimentação funcional e cura das minhas alergias [adeus rinite, grastrite, dermatite, etc.. Weeee] e atualmente estou com a Patrícia Bertolucci que também é biker e conhece de perto minha situação nas competições e treinos (além de ser uma das nutricionistas esportivas mais reconhecidas do Brasil e ser uma crânia que não para de estudar!).

Mas vamos lá, nos treinos semanais que não passam de 2hs eu uso apenas um isotônico com um teor de carboidrado. Meu preferido é o GU BREW que já vem em sachês e é perfeito. 

Também dá pra comprar o pote, mas gosto do sachê que dá pra carregar e repor na caramanhola durante treinos e provas, bem prático.


Se o treino for de força, levo um GU Gel ou balinhas da Stinger comigo.

Para treinos e/ou provas mais longas, a partir da terceira hora gosto do Perpetuem da Hammer, faço uma pasta (na embalagem eles explicam como fazer) e coloco na bisnaguinha, assim consigo carregá-lo pronto sem ter que parar para colocar o pó na caramalhola e misturar com água [e assim ter que beber uma caramanhola inteira mesmo sem querer]. 

Dependendo do sabor, o Perpetuem tem cafeína, que é super bem vinda em provas longas, mas não é fundamental.

Quando comecei a pedalar eu tomava cafeína antes da prova achando que isso ia ajudar, mas logo percebi que a verdadeira força é a nossa cabeça. Se quer dar uma acordada, tome um cafezinho no café da manhã, muito melhor!

Quanto a fadiga, a melhor forma de evitá-la é conhecendo seu limite, respeitando-o e sabendo qual alimento desce melhor durante o esforço extremo. Além, é claro, de seguir as orientações da nutricionista em relação aos horários de "abastecimento" (pra mim: 1ª hora água, 2ª hora carbo e 3ª hora carbo+whey - depois repete o ciclo).

Eu, por exemplo, sei que comida durante prova não cai bem pra mim. Mas isso também é momentâneo, conforme o metabolismo acostuma a essas situações estremas ele passa a aceitar novidades. Talvez um dia um sanduichinho ou bolacha desça durante uma prova, mas na Brasil Ride eu preferi ficar apenas nos suplementos (GU Brew, GU Gel, Stinger e Perpetuem). Ah, e Coca-Cola nos apoios, foi importantíssimo! rs

Quanto à cãibra, acredito que o melhor remédio é treinar!!! Faça os exercícios de complementação à bike, de preferência funcional com um profissional especializado. Fique forte! E cuide de sua recuperação. Alongamento e massagem quando necessário.

O "rolinho" e o "stick" são fundamentais, seria ideal se todo atleta tivesse um e usasse todo dia.

Achei AQUI um post num blog que fala sobre esse tipo de massagem (que na verdade se chama liberação miofascial).

Seguindo à risca esses cuidados que estou dividindo, só tive um princípio de cãibra uma vez, foi no Big Biker de Sto Antônio após a trilha do Zig-Zag em Campos - depois de descer na isometria, vinha uma subida bem dura. Mas ela só ameaçou e não apareceu.

Fora isso tive cãibra nos pés outro dia dançando de salto alto num casamento. Fazia uns 3 anos que não usava um salto tão alto... não tenho treinado pra isso =p

Certo? Espero que se identifiquem e que ajude a encontrarem boas maneiras de estar no esporte.

Lembrando que não há corta-caminho para o bom resultado (aquele que é consistente, ético e verdadeiro), tem que treinar, treinar e treinar.

Brasil Ride - tudo preparado á noite para a etapa do dia seguinte

2 comentários:

  1. Ola Viviane...Atendeu muito mais do que o esperado... Show o post... otimas dicas... Vou encarar sim uma nutricionista, gel de carbo e isotonicos costumo usar já, vou experimentar as outras dicas que você deu. Agora esse rolino, nunca tinha ouvido falar, vou procurar saber mais sobre isso, achei bem interessante. Ano que vem sera minha estreia no Haka MTB e quero estar na minha melhor forma, rumo ao Ride, um dia..rs..

    Quanto a cãimba no morro logo seguida do Zig, tem um motivo, aquele morro se chama Morro da Cãimbra, ta explicado né... eu travo ali todas as vezes, por sinal, esse ano me deu uma cãimba fora dos padrões humanos nesse morro...rs.. a partir desse dia comecei a me preocupar...

    Mais uma vez obrigado pela resposta....

    Grande Abraço !!

    Diego ( Hanks )

    ResponderExcluir