Páginas

Minhas Aventuras

"After climbing a great hill, one only finds there are many more hills to climb"
Nelson Mandela

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Vivi Aventuras em NYC

Apesar de todas as possíveis referências sobre Nova Iorque (amigos que visitaram, filmes, notícias e etc), meu repertório de conhecimento sobre o local era 100% baseado no seriado Sex and the City e em um outro filme famoso tipo: O Diabo Veste Prada.

Já tinha ouvido falar de Manhattan, mas só fui entender que NYC é uma ilha que se chama Manhattan, quando peguei o BIKE MAP (mapa com todas as rotas de bike, ciclovias e afins) para analisar. Também já tinha ouvido falar do Brooklyn, e chegando lá fui entender que é um bairro fora da cidade - como eles chamam Manhattan, assim como o Queens, entre outros.

Comecei a conectar então todos aqueles famosos "nomes" dos noticiários, filmes, revistas de fofoca e, principalmente, do Sex and the City: A famosa 5ª avenida, o Central Park, o Rockefeller Center (rink de patinação no inverno), o World Trade Center, o Empire State Building, a ponte do Brooklyn e por aí vai.

Uma coisa legal de NY, é que é muito fácil se virar por lá: todas as avenidas correm na vertical e são numeradas em sentido crescente de leste (direita) para oeste (esquerda) e todas as ruas também são numeradas e correm na horizontal de baixo - sul pra cima - norte. O Empire Sptate Building, por exemplo, fica na 5ª Avenida entre as ruas 33 e 34. Capiche?

Esse prédio altão pontudo é o Empire State Building
Quanto ao transporte público, o sistema de trem possui varias linhas que são separadas por cores (azul, amarela, vermelha, cinza, etc). Cada linha tem alguns trens, alguns "locais" e outros "expressos". O expresso é como se você pegasse a marginal pinheiros em São Paulo na via expressa: só é possível sair dela em alguns pontos específicos. Já a linha local é como a pista local da Marginal: tem várias saídas. Logo, o trem expresso é mais rápido que um trem local. Uma vez que você percebe a sacada do trem (qual é o melhor para cada situação) sua viagem está garantida! A dica é baixar o aplicativo do Google Maps no celular, pois ele te fala direitinho as opções de linha/trem e quanto tempo vai demorar para chegar nos lugares.

O valor de cada viagem única de trem é U$2,75 e outra boa dica é comprar um passe semanal chamado Metrocard, quanto mais comprar, mais barato sai a viagem única.

Mas não pense que foi fácil pra mim aprender a me virar nos trens! Ate porque não lembro de ver a Carrie (Sex and the City) andando de trem!! Me perdi muito e perdi muito tempo entrando em trem errado e indo pro lado oposto do que deveria ir. Rs, foi um teste de paciência e meditação!

Agora que estou de volta na terra Tupiniquim que sinto falta verdadeira de um sistema de transporte público efetivo, funcional e acessível, que realmente atenda a todos. Percebo o quanto nossa educação é individualista e separatista.

Nova Iorque não possui obesos, lá todos caminham, andam, se esforçam pelo que precisam e desejam. Eles se mechem, e sabem que cuidar da saúde é importante para continuar vivendo na cidade. Aqui a situação é decadente, conforme aumenta o nível social, aumenta o investimento em conforto, o que significa um, dois, três carros na garagem.

E pra quem acha que em NYC, um dos destinos mais refinados para os brasileiros, não há lugar para bikes, está completamente enganado. A cidade foi a primeira nos EUA a ter uma ciclovia (1894) e é repleta de ciclistas de todos os estilos.
Ao pedalar por lá, me lembrei das críticas da população à ciclovia de Moema quando foi implantada há 2 anos. Achavam um absurdo ter uma ciclovia entre o espaço de parar o carro e a calçada, como se isso não fosse chique! (Juro que alguns comércios fizeram essa reclamação, pois suas clientes são de classe alta). E adivinhem só! Lá em Nova Iorque é assim!

Resumindo tudo, tá na hora de abrirmos os olhos, enxergarmos o mundo, olhar além de nossas barriguinhas, sairmos da zona de comporto e andar pra frente. Basta cada um fazer a sua parte!

 

 

Global Cycling Network - GCN

Have you heard about GLOBAL CYCLING NETWORK yet?


They launched January 1st this year and I found out about them through their "HOW TO" videos on Youtube. They were so good that I couldn't stop watching. Spent over 40 minutes in their channel on my first visit.

That caught my attention (obviously) and I wanted to know who they were: an amazing team of cyclists that are journalists and media managers in the UK. They know key people in the races (and athletes - I'm pretty sure they are super friends with Cavendish <3 ) so they get to go back stage and show all those cool things a TV channel won't. Plus they know what we want to see/know.

Ok, that's my dream job - and became a goal now. Hello GCN, hire me!!!! :-P

Nevertheless, I do recommend subscribing for the channel, following on facebook, twitter etc... It's not only fun, it's news for cyclists!
 

quarta-feira, 26 de junho de 2013

E que tal uma caminhada? / And how about walking?

São Pedro não colabora, está mandando chuva há 3 dias (PQP S. Pedro! Tá protestando também?). Ontem enfrentei a chuva de bike com minha incrível capa de chuva de inverno londrina e meu salomon goretex (repele água). Sucesso. Só que hoje resolvi polpar meu corpitcho da friagem, não sou de ferro né. Saí de casa em busca de um taxi. Quando cheguei na avenida principal, nada de taxi... Comecei a andar no sentido do escritório. Quando me dei conta, estava caminhando para o trabalho. A garoa estava amena e possível de ser enfrentada. Tenho a sorte de morar perto do trabalho e em 30 minutos cheguei sorridente aqui. E fica a minha pergunta: por que que eu não fiz isso antes, caceta??? Porque fui educada para andar de carro... e ponto final. Infelizmente uma grande parte da nossa sociedade também foi e por isso demoramos muito para descobrir possibilidades como a que descobri hoje (a maioria nem se dá conta). Não precisamos estar em Nova Yorque ou Londres para sair batendo o pé. Ok, são cidades muito mais planas, com mais acessibilidade, melhores transportes públicos etc.. existem infinitas desculpas. Mas tenho certeza que você, assim como eu, pode simplificar um pouco mais sua vida também. Think about it ;-)
__

It's been raining non stop for 3 days in São Paulo - and we are led to believe the Saint Peter, the rain "GOD", is protesting too... Can you please stop now?
Anyway, yesterday I chose to strike the rain and rode to work. Wore my London rain jacket and Goretex Salomon shoes. Perfect. But today I decided I shouldn't do that again. I ain't no super women, need to stay healthy and strong. The fact that I couldn't catch a taxi on the big Ave made me start walking towards my office. I'm a lucky girl, live pretty close to work. In 30 minutes I was here, with a big smile on my face. And questioned myself, why haven't I done this before? So simple... The reason: in São Paulo, our society is educated to drive cars everywhere, and that's it. We take a looong time to find out life can be easier (unfortunately some people will never realize it). We don't have to be in New York or London to get on our feet. Ok, these two cities are flat and have a very efficient public transportation system - there are many excuses actually. But I'm sure that you, like me, can simplify your life a little bit. This about it ;-)

terça-feira, 25 de junho de 2013

Danny MacAskill videos

Please take a seat, relax and enjoy... this guy is nuts!










And find his new "sick" film in this link (seriously, it's insane): http://imaginate.redbull.com/

Matéria do G1 - Holandeses mostram como criar mais ciclovias em SP

Confira  NESTE LINK matéria do G1 do dia 24/06/2013 sobre a visita da vice-prefeita de Amsterdã à São Paulo. Ela veio para cá colaborar para o planejamento do aumento de ciclovias/bicicletas na cidade.

Lá 40% das pessoas vão de bike ao trabalho (apenas 20% vão de carro). 

Ela diz que o uso de bicicleta e o aumento de ciclovia dependem de QUERER MUDANÇA. Tem que ser radical, tem que querer a bicicleta.

Precisamos de educação para saber como utilizar a bicicleta e temos que ter acesso a boas bicicletas. Infelizmente, o mais difícil não são esses ajustes que nós temos que fazer, e sim o governo querer mudança e investir em mais espaços para o ciclista.

Minha opinião pessoal é que com bom senso e ética, podemos utilizar a bicicleta no dia-dia em São Paulo sem problemas. Vamos conquistando nosso espaço aos pouquinhos, demonstrando que sabemos respeitar o motorista, e assim espalhar boa educação. A liberdade de andar de bike também inspira quem convive conosco, então também acredito que de pouquinho em pouquinho podemos influenciar pessoas ao nosso redor a terem coragem e pedalarem na cidade.

PS: Você já cobrou uma atitude da CPTM em relação ao fechamento da ciclovia? Faça sua parte, entre em contato com eles, peça atenção e respeito para que resolvam o problema o quanto antes. Eu até sugeri nosso envolvimento para que seja resolvido o quanto antes. Lá nos EUA os usuários colaboram na manutenção de espaços públicos. Por que aqui não? 
CLIQUE AQUI e acesse a página do facebook da CPTM.

segunda-feira, 24 de junho de 2013

My 1st NYC Ride

First of all, a big THANK YOU to all the guys from SID'S BIKES in New York Ciry. The shop hooked me up with a beautiful Cad 10 - Cannondale (that I'm in love with and miss deeply), making it possible for me to keep training while in the city. I've gone to most of the bike shops in NY and SID'S BIKES is the best for cyclists. It has a wide range of products, brands and sizes, plus great service and help. They have two locations (here) and a website in Portuguese! Obrigada meninos!!!



I also got this pretty lady <3
My 1st NYC Ride...
I had heard that things in Bushwick - the neighborhood I lived in for the past 3 weeks in Brooklyn, NY - could be a little odd. I could tell... on my first day there I sat at a coffee shop for 3 hours to get some work done. 

All those weird shoes I saw when starring somewhere while deep in my thoughts. Jeez! How can she cross the street on that? (30cm platform black boots up to her knees). They don't even look cool - I think. Then I learned that that's the world's "Outcast-people" capital, witch actually makes me one, as I don't feel like I fit in there, right?

Anyway, it's a Tuesday morning and I get out of the building with my CAD 10 and my best mountain biker look (including the shoes). I make sure I walk to the street - people there are very serious about not riding on the sidewalk (it's the law and they respect it). 

Get on the bike, and as I complete my first stride I create a smile on my face. That mid-june weather is perfect at 6am. Sunny and humid, but not too much. People look happy.

I try to remember I shouldn't blow red lights. We always get too excited on first rides.. and this means missing turns and taking the wrong way. Adding miles never bothers us though.

As I ride around the neighborhood looking for the big avenue that will take me to the Williamsburg Bridge (Manhattan), I hear a very loud scream. Can't distinguish if that's from a cat giving birth, a child who does not want to go to school or if it's something... OH MY GOD, it's a PIG, a freaking PIG. HAAAH

It's medium size pink cute clean "little" pig, with a leash around the neck, on the top of a staircase. His owner - his daddy - wants him to go down the stairs and pulls him into doing that. The poor pig is apparently super scared of stairs and hails for help. Certainly, pigs daddy can't tell the difference between a poodle and a pig.

Good thing I developed good skills on the bike. I was safe enough to keep riding forward as I twisted my head as far back as I could to keep watching that scene. I almost "parked" so I could take a picture. How am I gonna prove this is real? Even to myself... do I always make things up when I wake really early in the morning? I regret not taking the picture.

The fact that all of my friends believed in the story when I first told them was good enough. This really is an unique place.

And back to the ride... this was just one more little test to see how good I am into getting focused. We need to be able to get back on track, always. Even if you see a scared pig being treated like a doggie.

I head to Central Park, where "my people" like to hang out in the mornings, "enjoy" my great workout session (this is how I like to talk about painful things) and then go back to Bushwick Land - the real New York experience.

But not before going for the Williamsburg Bridge QOM. Did I get it? Don't know, I'm out of Strava, but better than that, I beat everyone in front of me. Yeah!

Central Park


Photo shoot by Leo Cavallini

Eu estava em Bariloche me preparando para o Tour de Los Andes (num leu o relato? Clique aqui!) em Fevereiro deste ano, quando vi o longo email que tinha recebido. Era de um moço muito simpático, o Leo Cavallini, explicando o motivo do contato. Ele, Leo: fotógrafo (Studio Sopa) e ciclista.

O Leo me descobriu via Strava, segundo ele eu possuia títulos de Queen Of The Mountain de trechos que ele pedalava. Ok, diríamos que eu entrei no Strava antes dele se popularizar e acabei conquistando vários QOM's, provavelmente por ser a primeira mulher a andar nos trechos. Em compensação já sai do Strava também (começou a virar competição e achei que não estava legal).

Ele ficou curioso pra saber quem era essa mocinha, descobriu meu blog, leu meus relatos e se interessou pela minha história. Ele buscava alguém que topasse fazer fotos para seu portfólio e a sintonia de momentos profissionais permitiu que executássemos fizéssemos uma bela sessão na Estrada dos Romeiros - minha estrada favorita em SP.

O resultado dessa parceria está aí. Parabéns Leo pelo trabalho, foi um prazer trabalhar com você e com o Caniche! Clap clap clap.
___
 
I was in Bariloche getting ready for Tour de Los Andes (read the report of this race HERE) in February this year when I found a pretty long email on my inbox. It was from a very polite and gentle guy - Leo Cavallini - explaining the reason why he was getting in touch. Leo: photographer and cyclist.

Leo found out about me on Strava. He said I owned a few QOM titles from parts he usually rides on and got curious to know who I was. He found my blog, read my reports and got interested in my story. He was looking for someone who would agree making cycling shoots for his portfolio. It was a perfect match for me, I wanted the same thing.

We ended up spending the whole day at Estrada dos Romeiros - my favorite road training spot in São Paulo - doing the shots. It was a fun and exhausting day for all of us. And all the effort payed off. Thank you Leo and Caniche (his assistant) and congratulations for this beautiful work. Check it out:






This is what Leo wrote about me in his BLOG:

Don't let be fooled by her beauty or her pearl earrings. Viviane is a girl of fiber.
 
While planning her photoshoot, a research about her taught me she was a strong competitor, making things like a trip to Santiago de Compostela, a huge competition called Tour de Los Andes in South America among other incredible deeds.
At the time of our first meeting, she was wearing a splint on her left arm.
Days before, on a saturday, she was training for a mountain bike competition to be held on sunday. It would be her jump from amateur to pro category. Then, during the training the unexpected happened. She crashed, falling on the ground while crossing a railway track and injuring her left hand. She suffered much pain but didn't give much attention, nothing beyond making a curative later on and done.
Despite of the pain, Viviane competed the following day, finished the race succesfully. Pictures of the event, mainly the ones from the 2nd half of the race show her scowl caused by the injured hand.

After the race, she decided to go to an hospital and make a proper x-ray examination. To discover a broken metacarpal bone, the one that connects the smallest finger to the wrist, or let's say the outer side of the palm. She needed to undergo surgery urgently.
The greatest surprise of all this story is that she not only finished the race succesfully and jumped from amateur to pro, but
she
did
it
in
first
place!
With a broken hand!
And I didn't know about this story before because she just don't like bragging about it. See!
As a cyclist (and male, not wishing to be sexist), I felt so fragile in front of this small, vain and delicate girl. Couldn't believe her story, strong girl...
Photos: Leo Cavallini / Studio Sopa
Post-production: Bruno Cas / Terapixel

Motivação profissinal

Sempre escrevo sobre minhas aventuras pelo mundo, minhas inspirações para superar os desafios e sobre as coisas que aprendo na jornada. Tudo relacionado diretamente ao esporte - treinos, competições e viagens, o que apelidei de meditação ativa.

O que tenho pra compartilhar hoje é que, o esporte realmente nos ensina a enfrentar os desafios da nossa carreira. Vou contar pra vocês o que vem acontecendo comigo...

Nunca curti estudar. Sempre tive dificuldades com o método de ensino das escolas, sofria para conseguir me concentrar e as boas notas só vinham das matérias que realmente me interessavam. Eu simplesmente não entendia o motivo daquilo tudo, não via a luz no fim do túnel.

Quando "assumi" o esporte e meus treinos rigorosos, descobri que com motivação sou muito disciplinada, estudiosa e focada. Não tenho dificuldades de me concentrar. Ou seja, quando eu era menor, não sofria de desvio de atenção e hiperatividade. Agora é moda falar que as pessoas tem o tal do DDA  - distúrbio de déficit de atenção, né? Eu apenas não tinha motivação para estudar e entender aquelas matérias. Talvez se eu tivesse uma noção melhor da vida, tudo teria fluido melhor, mas infelizmente tive que lidar com diversas recuperações e dp's ao longo dos anos.

Mas assumo que sempre fiquei com uma pulga atrás da orelha: Será que eu sou uma rebelde sem talento para a vida acadêmica? Será que eu sou daquelas pessoas (Ok! eu inventei um grupo de pessoas que não existe!) que só curte fazer atividade física?

E a resposta apareceu: não!!!! Sou completamente capaz de me dedicar a algo com tanta paixão que não seja o esporte. E sou capaz de fazer as mesmas maluquices que faço pela bike para me dedicar ao estudo do mestrado em jornalismo, por exemplo.

Estou uns 10 anos atrasada em relação à maioria das pessoas que descobre a profissão que quer seguir aos 18 anos. Mas olhando por outro lado, passei essa última década construindo minha personalidade, descobrindo minhas habilidades (sugiro começarem esse trabalho mais cedo! Alertem as crianças!) para finalmente encontrar o que me motiva.
 
E o meu comprometimento com o estudo simplesmente me surpreende. Eu sou nerd!!! Que sonho! Aff, nunca imaginei que um dia pudesse falar isso...
Meus aprendizados com o esporte estão sendo fundamentais para o sucesso desse processo: organização, foco, disciplina e a capacidade de colocar ideias em prática. Nessa fase da vida a gente tem que ser ágil e ter uma boa noção de prioridade.

Enfim, as coisas tem que ser assim, amarradas umas as outras. É o que conecta, dá sentido, significado, logo e motivação.

Tenham uma boa motivação e sejam nerds legais, é o que desejo à você! :-)

quinta-feira, 6 de junho de 2013

Atleta Amador

Mesmo sem experiência

As características e condições da rotina de um atleta amador talvez seja menos saudável do que as outras possíveis formas de estar no esporte. Além das dificuldades de conciliar treino, competição, trabalho e vida social, nem sempre é possível fazer o melhor para cuidar do corpo da forma adequada.

O atleta amador nem sempre tem tempo para se alimentar corretamente, dormir suficientemente e estar com a cabeça 100% focada durante no treino ou em uma competição.  Ele tem que conviver com o stress de uma agenda atribulada e de imprevistos que o distancia do treino (o que só faz piorar o stress). Precisa lidar com as pessoas ao seu redor que não entendem sua disciplina e comprometimento com algo que não lhe traz retorno financeiro, apenas gastos. Para o atleta amador, cada minuto a mais de sono conta a favor.

Há quem diz que as rugas no rosto de um atleta amador aparece mais cedo. Mas, considerando o quanto se sente realizado e satisfeito quando está treinando, acredito que ele permanece jovem e mais feliz.

Atleta amador é amigo de atleta amador. É um grande bando de amadores que falam dos profissionais, comentam sobre o esporte, buscam novas informações e sonham em ter um trabalho que seja diretamente vinculado à sua paixão. Além disso, planejam carinhosamente seus calendários para que seja possível realizar todos os seus desejos e ainda manter o casamento, as amizades, o laço familiar e o emprego!

O atleta amador competitivo não precisa obter resultados para ninguém além dele mesmo, não deve satisfações pra ninguém e escolhe as competições que quer participar. "Até onde posso chegar?" é o que move sua vontade de evoluir. O atleta amador que gosta do seu trabalho é um cara duplamente feliz!. 

Em contra partida, dificilmente ele terá a oportunidade de desenvolver todo seu potencial no esporte, esse é o preço que acaba pagando. Mas quando aparece um bom resultado, haja motivos pra comemorar!

De repente "Atleta Amador" deveria ser uma profissão... não?
- "Oi, o que você faz?"
- "Olá, sou atleta amador. E você?"

E aí seria automaticamente entendido que você é um retardado que acorda de madrugada, treina no escuro e não descansa no fim de semana (ao contrário). Seria também subentendido que você trabalha duro para poder treinar, viajar, ser mais retardado... e feliz.

Que tal? Essa ideia resolve o problema do atleta amador ter que explicar tudo o que faz, ou de inventar uma resposta mais fácil quando rola uma preguiça.

- Pessoa: "Oi, o que você faz?"
- Atleta amador preguiçoso: "Oi, é... eu é.. acabei de sair da cadeia!!!" (isso meio que cala a boca de qualquer um hahaha na verdade falei isso uma vez..)

Oi, me chamo Viviane, devo ter caído de cabeça quando ainda era bebê e hoje sou uma louca atleta amadora. Meu cortisol é alto, mas, sou muito feliz. Muito prazer!

:)