Páginas

Minhas Aventuras

"After climbing a great hill, one only finds there are many more hills to climb"
Nelson Mandela

domingo, 28 de julho de 2013

A realidade vem de dentro pra fora

O poder do pensamento é muito maior do que você imagina.

É difícil perceber no dia a dia, mas pensamento positivo e alegria são turbinas de bons acontecimentos em nossas vidas. E a recíproca é verdadeira: pensamentos negativos só trazem coisas ruins.

Sabe quando você encontra um novo amor e está super apaixonada, mas, de repente começa a chover homem interessado em você, te chamando para sair e tal? Ou sabe quando algo muito incrível acontece no trabalho e isso gera várias outras coisas boas? Tanto a paixão quanto o bons resultados no trabalho são coisas que automaticamente nos deixam bem, com pensando positivo e com a sensação de que "finalmente coisas boas estão acontecendo". Instantaneamente vinculamos isso a uma força maior, algo externo, divino, mas a verdade é que toda essa boa energia está dentro de nós mesmos.

O oposto disso seria, por exemplo, aquele dia que acordamos mais cansadas e de cara ficamos mau humoradas por ter que ir trabalhar. Aí chamamos o elevador e ele demora pra chegar, na hora de tirar o carro da garagem, o vizinho está estacionado atrás. No trânsito levamos uma fechada de alguém. Na porta do escritório, damos uma super tropeçada no degrau, caindo de cara no chão e ainda tendo que ouvir a zoação do porteiro. Pronto! Essas coisas dão vasão aos típicos pensamentos de "hoje não é meu dia!" ou "só tem coisa ruim acontecendo comigo hoje!".

Somos muito suscetíveis a dar trela para energia negativa, gerando um monte de "lixo" na cabeça e, com isso, série de chateações. Na hora também responsabilizamos tudo a algo exterior. Nos perguntamos "Por que você está fazendo isso comigo, meu querido Universo?" - enquanto na verdade deveríamos nos perguntar "Meu Eu querido, minha linda alma e amada, por que raios estamos pensando em tanta coisas ruins? Vamos parar com isso e mudar o mau humor para um bom humor?". Cortar esse ciclo negativo só depende de nós mesmos, de acertar o pensamento e colocar a cabeça no eixo que permite ver coisas boas.

Enfim... No mountain bike, essa história de focar no negativo acontece bastante quando sofremos uma queda. É simples de entender: Quem nunca levou um tombo de bike e depois ficou com tanto medo de cair de novo, que levou outro? A gente fica tão preocupado, que na primeira oportunidade que tiver, damos de cara com o chão.

Coincidentemente, li esses dias uma notícia sobre um atleta competindo no Tour de France que passou por isso. Ele foi fazer o reconhecimento do percurso e caiu em uma curva. Na hora do "vamos ver", quando a prova estava valendo, adivinha o que aconteceu? Ele caiu novamente!!! E olha, esses atletas tem acompanhamento de terapeutas e técnicos, são experientes e sabem o que estão fazendo, mas mesmo assim ele foi pro chão de novo. Treinar o corpo para competir é só uma parte do trabalho. Treinar a cabeça é a outra metade. Não é fácil lidar com alguns sentimentos, principalmente com o medo e o receio. Eles são os principais inimigos da motivação, da força positiva. É duro dominá-los. Talvez esse atleta que caiu, achava que estava bem, com tudo sob controle, mas na hora do risco, em vez de pensar positivo "vou conseguir fazer essa curva", ele pensou "não posso cair de novo". E essa negativa foi suficiente para acabar com tudo. Ele foi pro chão, quebrou uma clavícula e teve que abandonar a competição. Que prejuízo!!!

Mas, não ache que só na bike é importante controlar o que pensamos. Precisamos tirar o lixo das nossas mentes diariamente, deixar apenas o que importa, o que é bom, o que realmente é necessário. Lixo mental tira nossa concentração, gera prejuízos emocionais, desgasta relacionamentos, anula curtição e alegria... Isso é sério! Talvez mais sério do que quebrar a clavícula, pois é muito mais fácil tratar da recuperação física do que da emocional.
Então nunca se esqueça: A realidade do que vivemos vem de dentro pra fora! É a sua energia interna, e não externa que de fato pesa em suas realizações. Se as coisas andam amarradas,  pare de olhar pra fora e pedir ajuda, promessa e reza. Feche os olhos para poder ver o que precisa ser ajustado lá dentro, qual alegria que está precisando de atenção. Não dê bola para os quilinhos a mais, nem para o medo de cair ou para o diabinho falando coisas ruins na sua orelha. Isso é lixo! Desfaça os nós que  bloqueiam seu acesso à felicidade de cada momento e permita-se focar na capacidade de superar, de realizar coisas boas, de amar e ser amada. Foco no positivo, sempre.

"Com o nosso pensamento, fazemos o mundo".

Pense sobre isso :-)


quinta-feira, 25 de julho de 2013

10 trips I DON'T need to take in my 20s

O vídeo abaixo está rolando nas redes sociais - 10 viagens que você precisa fazer aos vinte e poucos anos.



Não assisti de primeira. Faz uns 3 dias que amigos estão compartilhando no face. Hoje de manhã resolvi ver o que que é isso que todo mundo está postando, será que é bom mesmo?

Muito bem feito, música bacana, linguagem moderna. Entendo as pessoas ficarem inspiradas por ele, acharem "muito bom".

Mas não me identifico com nada disso. Ele não me tocou, não me encaixo nesse roteiro. Já tive a oportunidade de ir em baladas de Spring Break com amigos e já passei 4 dias em Paris com alguém que eu esperava gostar de mim de volta e... não foi legal! Sou louca? Pode ser... realmente demorei pra me encontrar, sempre me senti um peixe fora d'agua. Isso só mudou quando assumi minha loucura e virei aventureira. Fui conhecer o mundo através da potência do meu próprio corpo, indo na velocidade possível a mim... e hoje não vejo nenhum jeito melhor de viajar. E o melhor de tudo é que não importa pra onde, e sim a ida.

:-)

DICA: INOV8 Shoes

Essa dica vem diretamente de NYC do Frank, responsável pela Frankly Fitness - PLAY2WIN, meu treinador de funcional durante o período que passei lá.


O tênis convencional - desses que estamos acostumados a usar - nos tira o "esforço" necessário para estimular partes importantes dos pés, como músculos, ligamentos, tendões e articulações. E isso vai contra todo o conceito do exercício funcional, que é de trabalhar a função dos movimentos.

Ou seja, fazer exercício funcional com um tênis comum é deixar de aproveitar o exercício para melhorar seu verdadeiro equilíbrio e mobilidade. 

Mas treinar descalso não dá, então para "resolver" esse problema, algumas marcas desenvolveram calçados que protegem o pé mas continuam permitindo utilizá-lo em sua função, trabalhando equilíbrio e mobilidade. O FIVE FINGERS é um bom exemplo.


Mas o Five Fingers é o Ó e por isso a dica do Frank é incrível. A nova onda dos atletas em Nova York agora é o Inov-8.
tipo ameeeei #meacheiablogueirademoda

A marca possui uma linha de tênis específica para treinamento funcional e com vários modelos - cada um com uma espessura diferente de sola no calcanhar. Sem contar que é um mais legal que o outro, cheio cores divertidas!!!

Vale entrar no link que eu postei aí pra conferir. O preço varia de acordo com o modelo (de uns U$70 a $170 mais ou menos - pesquisa superficial no google).

Enfim, FICA A DICA pra quem for pros States, traz um desse aí ;-) E traz um pra mim também!!! rs

quarta-feira, 24 de julho de 2013

A melhor idéia do mundo!!!

Para quem ainda não sabe... RIP Vassourinha. Aí vão as imagens do triste crime que eu cometi.






Muita gente - mas muita mesmo - já passou pelo que eu passei. Os mais sortudos conseguiram não destruir tanto a bike. No meu caso, o quadro se partiu em 4. Pelo menos consegui salvar todas as peças...

Ontem estava compartilhando esse drama com uma colega no treino e ela me contou o que faz para não esquecer que a bike está no teto na hora de entrar na garagem. Achei a idéia fantástica e muito simples, mas só funciona para quem tem controle de garagem... (meu caso).

Toda vez que ela coloca a bike no teto do carro, esconde em algum lugar o controle da garagem. Assim, quando embica o carro e a cabeça está no "automático", ela não encontra o controle e logo se lembra do motivo - as bikes! SENSACIONAL! Essa idéia teria salvo minha vassourinha com certeza.

Fica a dica aí pra vocês que tem controle para entrar na garagem: lembrem-se de escondê-lo!

E quem tiver outras dicas, compartilha aeeeee por favor!!

terça-feira, 23 de julho de 2013

quinta-feira, 18 de julho de 2013

You are what you eat

Cool video posted at UPWHORTHY this week.

A fun and easy way to understand what 200 calories is.
But... what is a calorie anyway? Watch the video ;-)


terça-feira, 16 de julho de 2013

NYC TIP - Trampoline in Brooklyn - STREB

There are many ways of staying in shape without having to go to a regular gym and/or doing boring exercises. Nowadays the options are unlimited and just to name a couple, I can say FITNESS JAZZ and CIRCUS classes. Have you heard about any of these?

Circus classes is my subject today. I've done a few random circus classes when I was younger, trapeze, trampoline and other fun things, but never did it as a real workout. Good thing my Elementary had gymnastics for little kids, so I could develop some important skills. Now I can take advantage of this background.


Anyway, so during my 3 week stay in New York, a friend invited me to follow him to a Trampoline class. Of course I said yes!

The purpose was to have fun doing something different (and actually fun!) and complement my functional strength training. Guess what... was a blast!

Will goes to STREB every Tuesday night for this 1h30 trampoline session. Each class takes a maximum of 6 people, and each one can play for 3-5min a time. The price is affordable and the location is great: Williamsburg (close to it's best sunset view).

Technically speaking, trampoline is a great core training. It also helps with coordination, cardio and it doesn't strees your joints. GREAT!

Look what I read on TRIATHLETE Europe's website: 
According to NASA, trampoline exercise is 70% more effective in fitness training than track running for an equal amount of time. The research report published in the journal ‘Aviation, Space and Environmental Medicine’ explains that the most thorough trampoline exercise causes less joint impact than track exercise, and develops bone and muscle mass at an astonishing rate.
Anyway, the cool thing about this place STREB is that in the same place there are other things going on and you never get bored while waiting for your turn. Other people were on the Trapeze and on the tightrope right beside us. Beautiful to watch!


Cool thing about circus is the freedom it requires. It makes you get rid of all the stress we carry and commit to play. That's when you make your best moves. Magical... I super recommend!











More info about trampoline training:
http://www.livestrong.com/article/387470-trampoline-exercises/
http://www.sheknows.com/health-and-wellness/articles/969379/trampoline-workout-tone-your-lower-body

segunda-feira, 15 de julho de 2013

Big Biker São Luis do Paraitinga 2013

Essa etapa do Big Biker deve ser a mais dura para quem está na categoria Pro. Depois de três pirambas longas, bem inclinadas e técnicas, as categorias se juntam num falso plano que tem subida até pouco antes da linha de chegada. Quem não souber poupar as pernas pra gastar na hora certa, sofre um tanto mais. E ganha quem estiver bem em tudo: subindo, descendo, no plano... Essa etapa requer o pacote completo. E também requer um pouco de sorte (não cair, furar pneu, etc).

Minha prova começou muito bem, estava no pelotão com mais 3 ou 4 meninas da Elite andando num ritmo firme. Aos 25-30 minutos de prova, passamos por uma ponte seguida de uma leve curva pra esquerda. Eu não vi que tinha essa ponte, fui "jogada" pra fora e minha roda ficou presa no degrau. Chão! E lá se foi a turma.

Confesso que pensei em desistir. Segundo tombo em uma semana, não fiquei muito animada em continuar. Quem me acompanha no Instagram sabe que domingo passado eu perdi mais um capacete. Mas também não tinha o que fazer, subi na bicicleta e segui pedalando, cuidando nas descidas porque o guidão havia desalinhado.

De volta pra corrida, percebi que minha disciplina e treinos no periodo em que passei em Nova York valeram a pena, pois me sentia muito bem e estava recuperando posições.

Um parênteses especial: THANK YOU Frank!!!! Os treinos de funcional com ele na Velocity Sports, foram fundamentais para esse resultado (PLAY2WIN - FRANKLY FITNESS).

Alcancei as meninas nas subidas. Elas atacavam nas decidas. Até que acabou as subidas e eu nunca mais as vi. Optei por descer cautelosamente, focada em terminar a prova sem mais nenhum imprevisto.

Não foi bem o que aconteceu... rs Minha corrente estourou na placa de 1km para o final, com uma piramba na minha frente. Ainda bem que depois da subida era uma descida, e consegui pegar embalo pra cruzar a linha de chegada em 3º, sem perder posições. Ufa!

Parabéns a todas as meninas. 

Imprevistos acontecem e o jeito é lidar com eles. É sempre um aprendizado.

Largada ao lado da Marcinha!
Legionárias em peso!!!

sábado, 13 de julho de 2013

Assessoria Adri Nascimento 2013

Não tinha como não compartilhar todo o cuidado e carinho da Adri com seus alunos legionários! A nova camiseta da assessoria ficou linda, e as bolsas personalizadas da Art in Felt da Paola feito especialmente para as legionárias.. que luxo!!!



quinta-feira, 11 de julho de 2013

PARABÉNS CAÇULA PELOS 53 ANOS!!!!

Não é só porque eu sou a Caçulette que eu quero fazer essa homenagem pra Caçula de Pneus! É sim por todo apoio que a empresa me dá desde que ingressei no esporte. A Caçula é minha patrocinadora oficial, sem ela eu não poderia fazer nada do que faço. Provas nacionais e internacionais, treinamento com a assessoria Adri Nascimento, o melhor coach de fortalecimento funcional (grande Marcão), os cuidados dos queridos cotovelos assassinos da Maris, alimentação nas mãos da grande Patê (Patrícia Bertolucci), enfim... estou com os melhores profissionais. Eles que me permitem estar no esporte de maneira saudável e consistente.







Graças ao apoio e parceria que recebo da Caçula de Pneus este blog está repleto de histórias pra contar. E me emociono muito ao ver que faço parte desse grupo tão especial.

Obrigada Seu Jacyr, Betto Costa e família <3 

Parabéns Caçula. Orgulho de ser Caçulinha :-)

Ficou lindo o vídeo produzido pela equipe do Armário Feminino.

terça-feira, 9 de julho de 2013

TOUR DE FRANCE em ANIMAÇÃO - TDF IN ANIMATION

Best animation ever! Excellent video! A must watch!

Perfect to explain to your friends why this is the most exciting sport on earth!
__
Perfeito pra explicar pros amigos porquê Tour é mais legal que futebol...

OGE AC DC Tribute - Homenagem da Orica GreenEdge a banda ACDC

Ontem eu postei no meu facebook esta frase que gostei muito: 
“Nothing great was ever achieved without enthusiasm.” ― Ralph Waldo Emerson

E hoje eu assisti um vídeo que mostra exatamente o que essa frase diz. Mais uma produção da equipe de ciclismo ORICA GreenEDGE (o outro foi Call me Maybe - que nos inspirou a fazer a nossa própria versão - AQUI).
__

Yesterday I posted on facebook a quote that I really like: 
“Nothing great was ever achieved without enthusiasm.” ― Ralph Waldo Emerson

And today I saw this video from ORICA GreenEDGE Cycling Team that perfectly shows what the quote says. In my opinion, this is pure commitment.

Here it goes, one more production from OGR team. 
(The 1st one was Call me Maybe we actually made our own version of it - HERE)

ENJOY :-)



CALL ME MAYBE OGE

Call Me Maybe - ORICA-GreenEDGE Pro Cycling Team from prologotouch on Vimeo.

CALL ME MAYBE LEGIONÁRIOS

sexta-feira, 5 de julho de 2013

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Dica #3 - Como encher o pneu da bike

Meninas, faz mais de um mês que estou pra dar essa dica. Como não consigo gravar um vídeo dela, vamos do modo tradicional mesmo.

Eu sempre tive dificuldades para encher o pneu da bike, mesmo com a bomba de pé. As vezes conseguia e as vezes não dava certo. Incontáveis foram as vezes em que consegui a proeza de esvaziá-lo todo até consegui encaixar o bico e enchê-lo novamente.

Minha bomba "top"
Cheguei a achar que minha bomba era ruim e comprei uma mais bacana. E foi aí que descobri que o problema era a minha delicadeza... pois mesmo com a top o "problema" continuava.

Ao colocar o bico da bomba no bico da câmera da bike, eu não encaixava firme como deveria (tem que dar um aperto, fazer uma forcinha...). Um amigo me mostrou e pronto, meus problemas se resolveram!

Vamos aos outros passos: feito esse encaixe, levante a fivela para que o bico fique preso e você possa bombar o ar.

Repare que conforme a pressão vai aumentando, você precisa fazer mais força. Eu desenvolvi uma "técnica" (uhh) de usar o peso do corpo para bombar. Não se assuste nas primeiras vezes em que for fazer isso, tem que fazer força mesmo.

A pressão correta para o seu pneu está indicada na lateral dele (máxima e mínima). De qualquer forma, busque perceber qual é o psi que melhor te atende dentro dos limites máximo e mínimo. Eu gosto de usar entre 110 e 115 na minha speed.
No caso de MTB, se o pneu estiver com líquido, gire a roda até que o bico fique o mais alto possível (oposto ao chão) para evitar vasamento. Nesse caso nem falo quanto coloco de ar pois é um assunto muito pessoal. São muitas variáveis. Se você tem dúvida, peça ajuda na bicicletaria, a um amigo próximo, busque mais infos na internet e/ou me mande um email!

Ah, e na dúvida sobre a importância de estar com os pneus cheios, entenda que é não apenas pela performance (conseguir andar bem), é a sua segurança em jogo. A câmera vazia, além de mais sucetível a furar/explodir em buracos e afins, pode sair do pneu numa curva e causar um belo acidente.

terça-feira, 2 de julho de 2013

Viajar é mudar a roupa da alma

Não adianta estar linda por fora, é preciso estar com a alma bem vestida.

"Viajar é mudar a roupa da alma", disse nosso querido Mário Quintana. Eu não poderia deixar de concordar com ele. E ainda completo: viajar é preciso! Não precisa ser para longe, basta sair do seu contexto, indo para uma cidade vizinha, uma mudança temporária para casa de alguém , ou claro indo pro outro lado do mundo.

Não há coisa pior do que não ter o que falar, repetir os mesmos assuntos, viver fechada em seu mundinho, na sua rotina, nas mesmas coisas, com as mesmas pessoas, mesmos hábitos, comidas etc, etc etc... Um poema diz "Um milhão de pessoas sem nada a dizer, é igual a nada no fim das contas". Temos que correr desse um milhão de pessoas, buscar o que pensar e falar!
Colocando a leitura em dia

Acabei de voltar de uma viagem longa. Passei 1 mês nos EUA. Foi 1 semana em Cheyenne - Wyoming e 3 em Nova York. A primeira semana lá já estava programada há tempos. Quem visita o blog frequentemente sabe o porquê: fui fazer a BolderBOULDER 10k com um amigo americano que perdeu 30kg através de dieta e exercício - eu colaborei na motivação do sujeito e prometi que faria essa prova com ele! Mas as outras 3 semanas na terra do Tio Sam e da batata frita foram decididas em cima da hora.

Quem vê de longe pode até achar que foi uma decisão fácil pra mim. Menina jovem, independente, fala inglês, possui um trabalho flexível, claro que ia ficar por lá. Mas quem me conhece sabe o quanto sou caxias e gosto de fazer as coisas corretamente. Só pude decidir estender minha estadia por la quando percebi que aquilo sim era a coisa certa a fazer naquele momento. Uma oportunidade única. Minha vida não ia desmoronar se eu fosse, meus amigos não iam se esquecer de mim,  e minha família não ia me deserdar. "Pode ir Vivi" dizia uma voz dentro de mim.

Por outro lado, estava roendo as unhas e chorava por dentro com medo de ir. Mas eu fui! Graças à Deus, eu fui. Alguém aí se identifica com o que eu to falando? Esse medo de perder tudo que construiu com tanto esforço e trabalho (minha vida tão amada). Com certeza sim...

A viagem foi um belo "banho de loja" pra minha alma, nada de aquisições "físicas". São vivências que nos reciclam, abrem a nossa cabeça. Nos fazem "sair da casinha" e viver fora dela mesmo. Nos fazem quebrar padrões que não sabíamos que existia dentro de nós, tudo criado pelas nossas neuras.

Você não percebe a mudança durante a viagem. Se dá conta apenas quando retorna pra casa e vê brilho, luz e leveza ao se olhar no espelho e quando começa a encontrar novos sabores nas comidas de todos os  dias.

Apesar de mais pesadinha (difícil ignorar algumas guloseimas em viagens né.. não sou de ferro!), me sinto mais leve, presente e cheia de coisas pra contar. Nunca escrevi tanto no meu blog como nessa semana!
E fazendo uma retrospectiva, cada vez que volto de alguma viagem amplio meu olhar para algo novo. Ano passado, quando voltei do Caminho de Santiago de Compostela (Espanha), comecei a reparar nas igrejas antigas pelas ruas por onde sempre passei. O Caminho de Santiago é repleto de igrejas milenares, lindas e cheias de história. Me fez ver que São Paulo também tem suas igrejas. Curioso que nunca tinha reparado nisso antes.

Dessa vez, voltando de NYC, descobri o caminho a pé para os lugares. Anda-se para todos os lugares em Nova York. Como não percebi antes que eu poderia apenas caminhar? É tão bom. Num to falando nem de ir de bike não, to falando de andar mesmo. Experimente!

E assim, divagando sobre o assunto, concluo que viajar deveria ser obrigação para o ser humano. As empresas deveriam obrigar seus funcionários a viajarem nas férias. Não seria o máximo? Deveriam pagar para isso!! rs 

Toda riqueza emocional, espiritual, cultural que se conquista em uma jornada... é algo que precisa ser valorizado! Obrigue-se a viajar, entenda isso como um auto investimento! É preciso viajar...
Percebo que nesse 1 mês de aventuras nos EUA, minha maior "aquisição" foi simplesmente eu mesma. Uma percpção mais ampla de mim, do meu lugar no mundo e do que eu quero para minha vida. A viagem não custa barato, então não posso dizer que "não tem preço", mas sem dúvida que posso fazer os mesmos exercícios pra alma se simplesmente passar 1 mês em Mogi Mirim.

Assistam esse vídeo sensacional que encontrei no Girl Bike Love. Quem tiver dúvidas com o inglês pode pausar para ler as palavras. Vale a pena entender cada uma delas! :-)

BOM DIA!
"Troque o conhecido pelo desconhecido. Participe de sua existência e não se preocupe em ser perfeita, pois o movimento não precisa ser."

segunda-feira, 1 de julho de 2013

Aula de Spinning em NYC

Assim como no Brasil, não é todo dia que da pra sair para um pedal e na falta do rolo, o spinning acaba sendo nosso melhor amigo.

No período que passei em NY frequentei a CRUNCH GYM. Uma rede de academias super cool que tem por todo canto em NY. A matrícula dá direito a utilizar qualquer unidade da rede. Yupi!

A Crunch é diferente de tudo que eu já vi: chão preto, paredes coloridas, espaços diferente, luzes, néon... a aula de spinning parece uma balada (ok, isso já foi importado pra cá). A estrutura e boa, bons vestiários, pessoal sorridente e atencioso, limpo... tenho apenas algumas reclamações básicas, tipo que poderiam ter bikes mais novas na sala de spinning e que os bancos dos vestiários poderiam ser maiores. Na verdade NY sofre com um problema crônico de falta de espaço né - até o banquinho do vestiário é micro. Mas o bom disso é que acaba obrigando a gente a ser mais prático e isso é até bom!

Os professores são legais, mas envolvimento é bem superficial (ok, talvez seja assim em qualquer academia). E o que mais me "mata" é o tal do discurso de capa de revista "-Você quer perder peso e ser a pessoa que gostaria de ver no espelho ou vai ficar ai parado sem fazer forca!!!???" Nossa, me deu arrepio a primeira vez que a professora de spinning soltou essa durante a aula. Ela grita a aula inteira.. urgh, dá calafrio.

Ah, só pra explicar, eu estava na aula porque nao poderiam me deixar utilizar a bike sem ser em horário de aula - tipo se você quer pedalar você tem que entrar no progama da capa de revista - OKAY?
Eu tinha meu proprio treino pra fazer e evidentemente o plano da professora "vamos queimar calorias!" - nao casava com ele. Confesso que não me senti à vontade de invadir assim a aula da professora, mas achei que não teria problemas. Peguei uma bike mais pro fundo da sala e iniciei minha série de cadência baixa e alta resistência. Iniciei uma pocinha também - o que a gente sua em treino indoor é surreal!!!

Antes de começar a aula
Eu lá bonitinha na minha e a professora gritando no microfone, mandando todo mundo girar girar girar... posição 1, posição 2, posição 3, "and a quarter turn!" ela falava, mandando aumentar a resistência.
E cada vez que ela falava "o que voce quer ver qdo olhar no espelho? hein" ou "Estou vendo gente que não está girandooooo!" eu sentia que era uma indireta pra mim.
Em determinado momento - acho q ela ja tinha usado todas as estratégias que ela conhece para tentar me envolver na aula - em vão - ela veio ate mim. Delicadamente perguntou se eu estava machucada.  Até achei fofo... em vez dela falar "Meu, qual é o seu problema menina? Não vai participar da aula?", ela falou isso.

Expliquei que tinha um treino específico pra fazer. Ela fez cara feia e deixou pra conversar comigo no fim da aula. Disse que por ordens de seu superior, deveria expulsar da aula quem não participasse. Mas olha que querida, ela disse que "como quer fazer a gente feliz, deixou eu ficar". Pedi desculpas e ela disse que tudo bem (irônica), desde que na próxima vez eu ficasse num local onde não atrapalhasse ninguém.
Missão cumprida :-)
Ok. Voltei na semana seguinte e fiquei na última bike da última fila. Consegui fazer meu treino específico antes da aula começar (aparentemente mudou a regra de que não podia usar as bikes de spinning sem ser fora da aula de uma semana pra outra) então quando ela começou a aula,  participei fazendo tudo que ela mandava para não criar mais uma situação chata (eu precisava rodar mais tempo). Mas todo esforço foi em vão! A tchuca continuou gritando e gritando no microfone, falando comigo. Tava na cara que era pra mim. Eu abaixava a cabeça e ela gritava "Ficar com a cabeça abaixada vai te dar dores nas costas e faz mal para blablablabla.....".

Me pergunto: por que incomodei tanto ela? Que que eu fiz? Obviamente eu não sou o público alvo da aula dela. Veja pelo meu look: a única pessoa de sapatilha suja, bermuda de bike e jersey de ciclismo. Estava um pouco "fantasiada". Mas precisa disso tudo professora?

Engraçado isso. Eu tinha muito mais a agregar do que a "causar". Mas a professora que "quer fazer as pessoas felizes" aparentemente não quer ser feliz ela mesma.