Páginas

Minhas Aventuras

"After climbing a great hill, one only finds there are many more hills to climb"
Nelson Mandela

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Training Camp em MOAB com Adriana Nascimento

Há exatamente um ano atrás, eu começava a planejar minhas férias de 2013: o Training Camp da Adri Nascimento em MOAB, no Estado de Utah, nos EUA. Eu e mais 16 amigos fechamos o pacote e já com antecedência começamos a pagar tudo (até para dar tempo de juntar mais $$ pras comprinhas nos bike shops de lá, claro!! rs). 

Há 10 dias da viagem eu quebrei a mão, passei por uma cirurgia e tive que ficar longe de pancadarias por um tempo, mas isso não impossibilitou minha participação no TC: com toda estrutura de carro de apoio, pude escolher segmentos das trilhas que tinham menos pedras e eram menos perigosos de fazer, subindo no carro quando era necessário. 

Detalhe: nosso apoio era ninguém mais ninguém menos do que o Luiz Makoto Ishibe, um dos maiores escaladores e conhecedores de esportes de aventura do Brasil. Ele conhece cada pulo das trilhas de Utah e do Colorado! Ou seja, mesmo na van de apoio, eu num estava nada mal... ouvir as histórias do Makoto pessoalmente é puro privilégio!

E apesar de ter "doído" essa impossibilidade de acompanhar os colegas em todas as trilhas, a convivência com a turma deixava tudo mais divertido. Ficamos em 2 casas alugadas e a farra começava logo no café da manhã.

Bom, tudo isso foi uma introdução para informar que as inscrições para o Training Camp de MOAB em 2014 já estão abertas, e não divulgar isso aqui para vocês seria injusto! 

A Dri selecionou o melhor do melhor do que existe de pedal por lá para esse programa, e a estrutura que ela oferece é única. É férias dos sonhos, simples assim!

Participe de um Training Camp dos sonhos!
7 dias nas melhores trilhas de dois centros mundiais de MTB: Moab e Fruita.
Orientação técnica de Adriana Nascimento, 10x campeã brasileira de MTB.
Selecionamos trilhas que figuram no ranking das melhores do mundo!
A sequência evolutiva com acompanhamento, orientação técnica e ajuste de equipamento, vai elevar o seu pedal para outro nível!
O programa do Training Camp Moab inclui hospedagem, café da manhã, seguro viagem e traslados da chegada ao aeroporto de Grand Junction até o retorno ao mesmo aeroporto.
Exigência física: estar apto a pedalar 3 a 4 horas por dia.
Exigência técnica: intermediário a avançado.

Clima: seco com temperatura amena (pico de temperatura do dia em torno de 25°C).

Para maiores informações entre em contato pelo e-mail: nascimentomtb@gmail.com

As vagas são limitadas! Não perca essa oportunidade!
Dica: para quem tem dificuldade com técnica de pilotagem, há o "Training Series" com a equipe Adriana Nascimento, que são treinos de técnica (um ou dois dias) em locais como Campos do Jordão e Serra da Canastra.





terça-feira, 24 de setembro de 2013

Iron Biker 2013 - 5º lugar

Nesse fim de semana aconteceu na cidade de Mariana o Iron Biker 2013. Foram 2 dias de prova, sendo que a elite feminina e masculina participou de um prólogo (desafio Monster) na sexta-feira à noite no centro histórico.

Nesses meus 1 ano e 7 meses de mountain bike (equivalente a uns 5 anos!!), muito ouvi comentarem do Iron Biker, das vitórias da Adriana Nascimento, das trilhas mineiras, enfim, dessa prova duríssima e que reune os maiores bikers do país.

Quando vi que ia ter Iron Biker esse ano e que alguns amigos estavam combinando de ir, fiz os cálculos e resolvi enfrentar o desafio. Apesar da vitória no Big Biker, ainda me sinto tímida perante "A" elite feminina. O Big é tipo "em casa", já conheço o percurso e é sempre uma grande reunião de amigos de todos os cantos. O Iron seria uma experiência nova, uma grande novidade e um "vamos ver o que dá pra fazer"! Além disso, as trilhas são o quintal da casa da turma de lá, ou seja, a galera está muito mais familiarizada com a "brutalidade" exigida no percurso. Mas nada me intimidaria, na verdade. Consegui treinar no último mês e estava me sentindo preparada tecnicamente.
 
Tive um ano estressante, quebrei a mão em Março, depois tive dificuldade de encaixar meus treinos na rotina de trabalho, depois vieram os problemas com bike (2 meses e meio sem MTB), tudo isso e ainda tentando disputar o Big Biker. Enfim... eu estava precisando poder curtir um mtb pela sua essência, sem cobranças.

Então fui com essa cabeça... de experimentar, conhecer gente nova, sentir, ver como é mas, principalmente, curtir. E essa liberdade me presenteou com uma boa performance! Consegui dar meu melhor e isso resultou numa ótima colocação: 4º lugar no sábado e 5º no domingo, ficando em 5º na classificação geral.

Mas vamos às etapas:

O prólogo (Monster Challenge) aconteceu no centro histórico da cidade e atraiu bastante espectadores. Além dos competidores do Iron, muitos moradores estavam lá torcendo para cada atleta que passava. O lugar é um charme, as igrejas e praças ganham iluminação especial e a lua cheia estava lá para dar um toque especial.
Eu estava tão feliz de estar alí que eu não parava de sorrir. E ao longo das 5 voltas que demos no circuito de aproximadamente 2km, conquistei o apelido de "sorriso". "Aeee vai sorriso, força!!", ou "nossa, até parece que ela tá sorrindo!" - sim, eu tava mesmo! rsrs

Para não dizer que essa foi minha primeira vez correndo em circuito, tive uma experiência anterior na 2ª etapa da Brasil Ride em Rio de Contas que é um XC. Meus treinos são focados em endurance e por ainda ter pouca familiaridade com essa explosão que o circuito exige, optei por fazer um prólogo conservador, preservando o coração, as pernas e o equipamento. Esse descompromisso com resultado foi a maior curtição, me diverti tanto na prova e consegui zerar com tranquilidade todos os obstáculos. Meu estado de êxtase aumentava a cada volta.

Minha parte preferida foi a da praça do coreto: descíamos uma ladeira até a praça, entráva na rua à direita já para entrar na praça à esquerda, subindo a guia numa curvinha fechada e preparando para descer degraus e fazer outro cotovelo pra esquerda. Deu pra entender alguma coisa? Depois embalo pra subir na rampa do coreto, equilíbrio pra descer a escada estreita em seguida e tomada de embalo com coragem para subir um lance de 4-5 degraus para sair da praça e começar a escalada até o ponto mais alto do percurso, em uma igreja linda toda iluminada no topo da cidade, que ornava com a lua!

Depois só descida até cruzar a praça de novo, descer uma escadaria com curva fechada pra esquerda e chegar na largada da prova, com outra escadaria, essa mais "agressiva". 

Fechei o prólogo com 29 minutos em 7º lugar.

Depois disso foi acalmar os ânimos e concentrar para o dia seguinte.

Sábado: 81km com 1.400mts+ 
Muita trilha mas muita estrada também
O objetivo era ir moderado e sempre. Larguei com as meninas mas no meio da primeira subida, ainda no começo da prova, achei melhor focar em encontrar o meu ritmo e sobrei um pouco. Mas logo depois, quando acabou a escalada e começou um trecho plano com descidas e muitas curvas, algumas com areião, me dei bem e recuperei algumas posições. Segui firme, andei bem nas trilhas e aproximadamente no meio da prova alcancei a 4ª colocada.
Daí pra frente foi manter meu ritmo e dosar para não deixar faltar nem sobrar. Conseguir zerar todo percurso técnico e escalar uma parede super dura e longa com trechos bem inclinados. Com paciência e concentração deu pra fazer tudo.
Fechei a etapa na 4ª colocação, com 3h58, muito feliz, realizada e coberta de terra! Assim é bom!!!

Domingo: 51km com 1.000mts+
90% trilha, um pouco de estradão
Ah, aí já num tem que dosar nada, é a largada pra morte!! rsrs Brincadeira, também não é assim. Mas nessa etapa eu não fui conservadora. Parti pro ataque, dosando para não faltar, mas impondo um bom ritmo nas subidas, com passo forte nos trechos menos técnicos e arriscando mais nos singles e downhills.
Na primeira sessão de single cheguei na 3ª colocada e andamos juntas por um bom tempo. Estava na frente dela quando eu e mais algumas pessoas erramos o caminho (fomos reto quando era para entrar à esquerda). Esse erro me custou caro, pois depois disso não a vi mais. E por mais que estivesse concentrada, demorei um pouco para retomar o ritmo e fui ultrapassada por mais duas meninas ainda no downhill, ambas descendo muito bem. Mas continuei na minha prova, meu melhor resultado é dar o meu melhor, e fui para fazer isso (trabalho mental...).
O trecho final repetia um estradão de asfalto do dia anterior, então, sabendo o que tinha pela frente, acelerei e entortei o cabo pra valer. Mesmo sozinha, coloquei um passo forte e consegui mantê-lo até a entrada do single track final. E foi exatamente nesse ponto que cheguei na 5ª colocada. Enquanto ela empurrava a bike em uma subida de pedras com degraus, consegui pedalar tudo e ultrapassá-la. Depois disso dei absolutamente tudo que eu tinha até o último segundo de prova. E sucesso!!!

Deu tudo certo! Não tive nenhum problema mecânico (apesar de abusar pedalando nas cruzadas de rios) e estou super contente com minha Fate. As vezes a full faz falta, mas é só uma questão de conforto mesmo.

Agradeço ao apoio dos amigos, da torcida, de todos que me acompanham, da família e dos meus anjinhos da guarda.

Agradecimento especial à Specialized, Pedal Power, Adriana Nascimento ao patrocinador Caçula de Pneus e aos parceiros Kailash e Gu. Obrigada!!!

E um recadinho aos Legionários brutos: anotem aí na agenda que em 2014 nós vamos invadir Mariana!!! :-P ô prova boa!! Divertida!!

Hidratação e alimentação, cuidado fundamental...
Bike desmontada e devidamente embalada, como é gostoso cuidar de cada detalhe!!
Com a super companheira e parceira de viagem Elisa Gali
Chegamos!!!
Hora de montar a vassoura
Dica de cuidado especial: disco de freio embalado na tampa de 2 tupperwares!
Voilá!
Esperando o prólogo começar. Cidade encantadora.
Vídeo feito pela Elisa, eu descendo o coreto e depois subindo a escada para sair da praça
Legionários reunidos na largada da prova!
Quando o sorriso diz tudo...
Maquiagem
Desafio completo!!!

Comemoração!!

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Elevador


O elevador começa a demorar para parar no meu andar. 2, 3, 5 minutos. Aí ele chega, está lotado e eu preciso deixá-lo ir, pois estou com a minha bicicleta.

Bike é o "veículo" que escolhi para dar mais sentido e alegria à minha rotina, parar de ter a sensação de perda de tempo no trânsito e também para não ter que pagar estacionamento.

Preciso esperar mais uns 3 minutos até o elevador chegar vazio. No total, quase 10 minutos esperando o "mardito".

E esse é o tempo que eu preciso para novamente questionar (faço isso com certa frequência) toda a estrutura da minha vida... Por que eu moro empilhada? Dependo de um elevador? E, para acessar a rua, tenho que ficar presa em uma gaiola de portoões (por questões de segurança)? Tudo isso para poder transitar livremente pela cidade? Por que eu moro nessa cidade? É isso que eu quero para a minha vida? E por aí vai...

É só comigo que acontece isso?

Sou da tal geração Y, uso computador desde os 5 anos, mal brinquei com vitrola, ou seja, deveria estar aberta a conceitos mais modernos... mas ainda não entendo a idéia de morar empilhado e ter que usar um elevador! Assim como não aceito ter que ficar preso nos portões para entrar e sair da minha casa. É muita coisa pra mim..

Eu quero rusticidade, paz, horizonte... talvez por isso me identifique tanto com o mountain bike, um esporte da natureza. O mountain bike é uma forma posível de percorrer a natureza em segurança. A bicicleta nos dá boa velocidade para visitar lugares variados em pouco tempo, sentir o vento na cara, o corpo inteiro em ação...

O fato de ter nascido e sempre vivido em SP me faz apreciar mais a natureza e reconhecer suas diversas faces e formas. E viajando pelo mundo me sinto como a própria natureza: camaleoa, mutante, várias faces, mas consistente em minha essência.

E cada vez que saio da cidade grande, menos vontade tenho de voltar. Espero mesmo um dia não ser mais escrava do elevador, das "gaiolas", do carro e do trânsito para poder ter o simples prazer de abrir a porta de casa e pedalar livremente...

PRATIQUE...


quinta-feira, 5 de setembro de 2013

JUST BE HAPPY :)

Achei essa frase ótima.. rsrs O que acho que fica dela é: deixe as coisas passarem, se ocupe com você, suas questões e sua alegria de viver. E quando estiver difícil, lembre-se dela (da frase) ;-) mas lembre-se também que a felicidade está na verdade, na humildade, na leveza...