Páginas

Minhas Aventuras

"After climbing a great hill, one only finds there are many more hills to climb"
Nelson Mandela

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Elevador


O elevador começa a demorar para parar no meu andar. 2, 3, 5 minutos. Aí ele chega, está lotado e eu preciso deixá-lo ir, pois estou com a minha bicicleta.

Bike é o "veículo" que escolhi para dar mais sentido e alegria à minha rotina, parar de ter a sensação de perda de tempo no trânsito e também para não ter que pagar estacionamento.

Preciso esperar mais uns 3 minutos até o elevador chegar vazio. No total, quase 10 minutos esperando o "mardito".

E esse é o tempo que eu preciso para novamente questionar (faço isso com certa frequência) toda a estrutura da minha vida... Por que eu moro empilhada? Dependo de um elevador? E, para acessar a rua, tenho que ficar presa em uma gaiola de portoões (por questões de segurança)? Tudo isso para poder transitar livremente pela cidade? Por que eu moro nessa cidade? É isso que eu quero para a minha vida? E por aí vai...

É só comigo que acontece isso?

Sou da tal geração Y, uso computador desde os 5 anos, mal brinquei com vitrola, ou seja, deveria estar aberta a conceitos mais modernos... mas ainda não entendo a idéia de morar empilhado e ter que usar um elevador! Assim como não aceito ter que ficar preso nos portões para entrar e sair da minha casa. É muita coisa pra mim..

Eu quero rusticidade, paz, horizonte... talvez por isso me identifique tanto com o mountain bike, um esporte da natureza. O mountain bike é uma forma posível de percorrer a natureza em segurança. A bicicleta nos dá boa velocidade para visitar lugares variados em pouco tempo, sentir o vento na cara, o corpo inteiro em ação...

O fato de ter nascido e sempre vivido em SP me faz apreciar mais a natureza e reconhecer suas diversas faces e formas. E viajando pelo mundo me sinto como a própria natureza: camaleoa, mutante, várias faces, mas consistente em minha essência.

E cada vez que saio da cidade grande, menos vontade tenho de voltar. Espero mesmo um dia não ser mais escrava do elevador, das "gaiolas", do carro e do trânsito para poder ter o simples prazer de abrir a porta de casa e pedalar livremente...

Nenhum comentário:

Postar um comentário