Páginas

Minhas Aventuras

"After climbing a great hill, one only finds there are many more hills to climb"
Nelson Mandela

sexta-feira, 28 de março de 2014

CIMTB Araxá - Copa LM de Amadores

A CIMTB Araxá já estava combinado com o Guto e o Marcelo (Pedal Urbano team mates) desde o ano passado.

É uma das provas mais esperadas por eles, não apenas pelo circuito super técnico (com a famosa descida da Dona Beja, rock gardens, switch backs, raízes e etc), como pelos queridos amigos mineiros.

Sendo ela uma típica prova de Cross Country, decidi que entraria no calendário como um treino divertido, pois foge dos meus objetivos (Sani2C e Brasil Ride). Sendo assim, minha expectativa era, além de curtir o percurso, testar minha explosão, capacidade de andar no limite, agilidade, concentração e tudo mais.

Quando fui fazer a inscrição, fiquei um pouco confusa com o formato da corrida, pois é diferente do que estamos acostumados aqui em SP com Big Biker, GP Ravelli, Desafio da Mantiqueira e etc.

A Copa Internacional Araxá possui 3 etapas para a elite (sexta, sábado e domingo), sendo obrigatório estar federado para se inscrever nessa categoria e a participação nos 3 dias. Esta segunda condição impossibilitou minha participação na Elite feminina. Eu até poderia conseguir federar a tempo, mas não estava programado perder 2 dias de trabalho para esse evento.

Com toda atenção do Rogério por e-mail e telefone, resolvi minhas dúvidas e me inscrevi na Copa LM de Amadores, categoria sub 40 - não tem gente suficiente para abrir outra categoria "expert" feminino ou sub 30 (quem sabe não conseguimos reunir mais mulheres para o ano que vem?!!).

Nela, as atletas dão apenas 2 votlas no percurso (a elita feminina dá 4) e não podem (nem nos treinos) passar pela descida Dona Beja. Confesso que fiquei bem frustrada, pois queria muito experimentar os drops e a curva na parede construída - sem contar que os meninos passaram a semana inteira falando daquele trecho e como seria legal. Mas por outro lado entendo o cuidado da organização da prova em não expor os atletas com menos experiência.

Enfim, e lá fomos nós. 6hs de estrada de SP a Araxá, passando por Franca.

No sábado fomos reconhecer o percurso e logo que subi na bike senti meu passador do câmbio traseiro duro demais. Caramba... meu conduíte foi trocado há 2 semanas! Que m... A expectativa de pedalar era muito grande, qualquer imprevisto é irritante nesses momentos! Como não tinha como resolver naquele momento, decidi atender a ansiedade e ir pra pista.

Deu para girar um pouco até meu passador parar de funcionar de vez (Sram XO). Voltei para a arena do evento e fui direto pra tenda da Shimano pedir socorro. Corre pra cá, corre pra lá, pede ajuda pra um, pra outro, consultorias... e a solução foi comprar câmbio traseiro e passadores novos, XTR (valeu Camilo e equipe). Problema resolvido!

Com a vassourinha montada e devidamente equipada, já era tarde quando fui dar mais uma voltinha para testar a nova configuração e terminar o reconhecimento. Nesse ponto nem pensava muito na competição, queria apenas estar apta para pedalar.

No domingo o clima da arena já era outro. Atletas concentrados, prontos pro combate. 

São várias largadas ao longo do dia (3 se não me engano além da elite que é à tarde), sendo que em cada uma, saem várias categorias com espaço de 1 minuto (se não me engano) entre elas. 

A sub 40 e over 40 largaram juntas (e claro que a disputa ficou única).


Apesar de estar logo ali na primeira fileira, fiz uma largada cuidadosa e tranquila - o começo é cheio de curvas fechadas, primeiro no asfalto e depois num single largo com raízes. Saindo disso, uma subida longa até a entrada do próximo singletrack.

Nessa subida me coloquei mais agressiva e comecei a ganhar posições. Quando cheguei no pelotão da frente, vi que as meninas estavam mais ofegantes do que eu, então segui em frente.

A primeira colocada havia aberto bastante, mas logo no final da primeira subida em singletrack consegui chegar nela. Durante toda primeira volta, trocamos algumas vezes de posição.


No começo da segunda volta percebi uma quebra de ritmo e fui pra frente. Estava confiante de que poderia imprimir um ritmo mais forte (e surpresa pelo meu desempenho).


Só que.... logo que começamos a descer ao fim da subida senti meu pneu traseiro baixo... quéquéquéé.....

Bom, resumindo tudo, foram 3 pausas para encher o pneu com um rasgo de 2cm na lateral (provavelmente causado por uma pedra pontuda) com CO2.

Na primeira pausa passei para 3º lugar, na segunda em 4º e na terceira o pelotão me alcançou e fui passada por várias meninas. No que sobrou de prova, dei meu máximo para recuperar e consegui fechar em 5º no geral, 3º na categoria.


E no final foi uma super festa! Fiquei muito feliz em cumprir meu objetivo e ainda ter uma performance excelente - ainda mais sendo uma semana após de um Big Biker a 40ºs que cozinhou todos os miolos.

Meus companheiros de Pedal Urbano Marcelo e Renatão estavam na linha de chegada me esperando, e não pude deixar de fazer uma gracinha "a la" #rideundergreen - nosso lema > Ride Under Green, Ride Forever > camaradagem, diversão e ética em primeiro lugar, sempre!

uuuha rsrsrs

Agradeço a todos que gritaram meu nome e torceram por mim, à toda equipe Pedal Urbano - que deu o melhor apoio (em especial ao meu namorado Marcelo), à NUUN pela excelente hidratação que me proporciona e ao grande patrocinador Caçula de Pneus.

Publicidade
A Caçula de Pneus é uma empresa com mais de 50 anos de experiência na oferta de produtos e serviços automotivos. Revendedora credenciada e autorizada da Pirelli, a Caçula oferece a mais completa linha de pneus da marca, além de um qualificado suporte técnico a seus clientes.

"Encontrar a melhor solução para atender às necessidades dos clientes é o objetivo da Caçula de Pneus."

O time de profissionais da Caçula de Pneus é treinado pela fábrica e está altamente capacitado para auxiliar na compra, uso e manutenção de seus produtos. Ao todo, são mais de 30 lojas na Região Metropolitana de São Paulo, equipadas com instrumentos de tecnologia avançada.

quarta-feira, 26 de março de 2014

Impressões: Focus Black Forest 7.0 29er

Pessoal, gravei para o Oxigênio TV (Revista VO2) o teste que fiz da FOCUS BLACK FOREST 29er 7.0 com as impressões que tive da bike.

Segue o vídeo!


quinta-feira, 20 de março de 2014

More Than a Race... Como se preparar para a Brasil Ride?

Pessoal, estou preparando pra vocês uma série de dicas de preparação para a Brasil Ride.

Vários leitores já me escreveram ou consultaram pedindo algumas dicas, então vou fazer um conteúdo dinâmico, com vários vídeos curtinhos.

Mas preciso da ajuda de vocês, me falem o que querem saber!!! Enviem suas dúvidas, curiosidades e perguntas para vivianefavery@gmail.com


Big Biker 2014 - Taubaté

Depois de 4 meses de total abandono do blog - peço sinceras desculpas - volto hoje para contar da prova que fiz neste ultimo domingo, a primeira etapa do Big Biker, em Taubaté.

O abandono foi causado por uma mudança radical de trabalho (eu era free lancer, agora sou funcionária de uma empresa com horário para entrar e sair, pacote completo) e passei por um processo de adaptação a essa nova rotina. Além disso, a mudança mexeu comigo, mudou um pouco a minha visão e perspectiva das coisas... em outras palavras, acho que amadureci mais um pouquinho.

Mas enfim, vamos ao post!

Neste ano o Big Biker mudou a ordem das duas primeiras etapas: Itanhandu irá hospedar a segunda etapa, e Taubaté abriu o campeonato 2014.

Confesso que fiquei com dúvidas sobre participar em Taubaté. O Big Biker me causou tanta tensão em 2013 que estava avaliando se queria repetir a dose neste ano. Mas consegui organizar as idéias. e percebi que tudo dependia da minha ótica, da forma como eu ia encarar o negócio.

A minha participação nesse campeonato tem como função me preparar para os objetivos principais, que são as ultramaratonas Sani2C em Maio e a Brasil Ride em Outubro, dando ritmo de prova, aumentando o limiar de sofrimento, trabalhando o foco, a cabeça, o pulmão, etc.

E lá fui eu, com o objetivo de fazer a minha prova, meu ritmo, sem disputa com os outros. A competição seria comigo mesma, de colocar em prática tudo que aprendi e treinei até agora, sem economizar. 

Na largada impus um ritmo bem forte pra mim, mas cuidando para não extrapolar. Meu forte não foi suficiente para acompanhar as outras meninas, que dispararam na frente antes mesmo da primeira subida.

Segui focada em mim, ignorando minha posição na classificação para não desmotivar. Nessas horas, o mais difícil é manter-se no limiar, sem extrapolar por muito tempo (aí tem que tomar MUITO cuidado para não entrar em pelotões que estão andando mais forte do que você deveria), para não pagar o preço lá na frente.

O calor muito forte pesou ao longo de todo percurso. Nenhuma descida era longa ou rápida o suficiente para refrescar. Então acertar o ritmo, a hidratação e a alimentação foram fatores mais importantes ainda.

E ao longo da prova, o que parecia improvável no começo, aconteceu: a dose de força da largada foi ideal e pude manter um passo firme até o final. Passei 5, das 6 atletas que estavam na minha frente.

E quando cheguei na arena do evento cruzando a linha de chegada, veio a boa notícia: 2º lugar na Elite Feminina Pró. A Dani Genovesi foi a super campeã, e eu fechei mais de 15 minutos atrás dela, com 4:31. Esse tempo passa em 10 minutos o do ano passado nesse mesmo percurso, apesar de ter me sentido infinitamente melhor desta vez. Depois, conversando com alguns amigos, todos aumentaram seus tempos também, o que me leva a crer que fomos muito afetados pelo calor de 40 graus.







Agradeço a todos os amigos e parceiros que torceram por mim, ao apoio do Pipoca e do Renatinho (Os Mantiqueira de Campos do Jordão), à grande parceira Pedal Urbano - graças à lojinha deles consegui uma luva há 10 minutos da largada, à NUUN pela excelente hidratação que me proporciona e ao grande patrocinador Caçula de Pneus.

Publicidade
A Caçula de Pneus é uma empresa com mais de 50 anos de experiência na oferta de produtos e serviços automotivos. Revendedora credenciada e autorizada da Pirelli, a Caçula oferece a mais completa linha de pneus da marca, além de um qualificado suporte técnico a seus clientes.

"Encontrar a melhor solução para atender às necessidades dos clientes é o objetivo da Caçula de Pneus."

O time de profissionais da Caçula de Pneus é treinado pela fábrica e está altamente capacitado para auxiliar na compra, uso e manutenção de seus produtos. Ao todo, são mais de 30 lojas na Região Metropolitana de São Paulo, equipadas com instrumentos de tecnologia avançada.