Páginas

Minhas Aventuras

"After climbing a great hill, one only finds there are many more hills to climb"
Nelson Mandela

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

De salto alto ou de sapatilha de bike, o desafio é o mesmo

Uma das coisas que aprendi pedalando foi a manter o foco da trilha, no meu caminho, em onde eu tenho que ir, e a ignorar os abismos, barrancos, buracos que aparecem pelos lados.

A chance de irmos diretamente para onde olhamos é grande (quase absoluta), então identificar o perigo e olhar para ele – como que endossando que aquilo é perigoso – pode significar acidente, queda (livre no buraco negro, num caso mais extremo).

No começo é muito difícil ignorar o perigo e o medo. A gente olha, reconhece, pára, desce da bike e acaba com a fluidez do pedal (e mountain bike é o que se não pura fluidez e momentum?).

O processo de evolução envolve um certo esforço mental, de ficar lembrando “olha pra frente, Vivi, olha pra frente, Vivi, mantém o foco, foco, foco”. Esse mantra me acompanha nas trilhas...

Também temos que praticar muito em terrenos seguros para ganhar confiança, ver que sabemos andar em singletrack, e ir aos poucos aumentando o nível técnico – e a exposição –  das trilhas.

As mais novatas ficarão felizes ao saber disso: tem uma hora que nosso cérebro começa a se acostumar com esse “setup”, e percebe que pedalar na trilha com ou sem barranco ao lado é completamente igual. 

Logo, a única coisa que temos que controlar é nosso medo, e ignorar o perigo. O resultado é emocionante, apaixonante! 

Posso falar por mim, olhe a minha vida, de total dedicação ao mountain bike (quando não estou trabalhando).


Hoje estou aprendendo a fazer exatamente a mesma coisa, só que no trabalho. Aceitar o desafio de evoluir está me apavorando. Me vi hoje com a mesma apreensão que tenho antes de enfrentar uma trilha técnica nova. Me perguntaram se estou bem. Por um momento parei para olhar para mim mesma. Estranhei a falta do capacete, e do uniforme de guerra. E logo entendi. Sim, estou ótima. Apenas compenetrada, tentando manter o foco no caminho e não olhar para o perigo de queda. Com uma armadura um pouco diferente, salto alto, camisa, maquiagem... lembrando que é só continuar fazendo o que eu já faço.

Um comentário: