Páginas

Minhas Aventuras

"After climbing a great hill, one only finds there are many more hills to climb"
Nelson Mandela

domingo, 10 de maio de 2015

A vida tem propósito

“To see the world, things dangerous to come to, to see behind walls, draw closer, to find each other, and to feel. That is the purpose of life.” 
― James Thurber

"Para ver o mundo, as coisas perigosas que virão, para ver por trás dos muros, se aproximar, para encontrar o outro, e para sentir. Esse é o sentido da vida."

Já tinha sido impactada pela frase. Me tocou. E ontem fui apresentada ao filme - The secret life of Walter Mitty - recomendo, altamente inspirador...

Então o exercício de hoje envolveu analisar minha real entrega ao meu sonho e aos perigos riscos da vida.

Um dia de muito frio e lama no Haka MTB de 2012
Meu senso crítico apurado e a recente confirmação de que já não sou mais criança, me fazem crer que posso confiar na minha auto avaliação.

Nota 9. Porque sempre tem o que melhorar.

Mas também porque tenho feito um excelente trabalho. 

Onde tudo começou, meia maratona da Disney em 2010
Tem dias muito difíceis, tem semanas que me sinto em uma "Brasil Ride" (referência de sofrimento absoluto), lutando pela sobrevivência na marra, teimosa que sou...

Nos momentos em que dá vontade de parar, largar tudo, desistir: respirar, e, mesmo cambaleando, continuar andando. "Vamos sair daqui, e vai ser indo pra frente".

Eu sei desistir, mas eu também sei seguir. FORWARD.

Saindo do famoso "vietnam" na etapa rainha da Brasil Ride 2014. Não estava indo tudo bem.
Tem reclamações, mas sempre com bom humor. Uma ranzinza alegre, costumo estar assim nos meus dias de trabalho. Um jeito meu de fazer a tal da "limonada".

Para muitos, e para o Walter Mitty, essa frase significou sair da zona de conforto da vida pacata de "casa - trabalho - casa" e partir para uma aventura no mundo.

A chegada de um caminho incerto é como um milagre
Cicloviagem SOLA de 4 dias pelo Vale do Loire, na França, em 2011
Pra mim, perigo é correr o risco de ficar presa em uma gaiola, em um conceito, em um título. É depender de elevador para chegar na minha casa, é viver encaixotada em uma selva de concreto, é perder tempo no trânsito todos os dias. É não ter escudos para me defender da agressão pseudo invisível dos mais desencontrados, de tão enfraquecida que fico. 

E eu preciso controlar o meu desejo - se não impulso - de sair me aventurando. De fugir dessa loucura, ir pro incerto, para onde eu mais me sinto a vontade. De ser quem eu sou. ser livre para CRIAR.
Pelas ciclovias de NYC
Prefiro estar ao lado de uma excelente companhia, mas não dependo disso. O caminho também cria relações.


Toda essa vontade, porém, não está sendo desperdiçada. Ela está se me transformando, e eu quero muito, muito viver para ver onde ela vai me levar.

Ceci N'est Pas Un Vélo - isso não é uma bicicleta (é a Vida)
Finalmente, tudo está mais claro, as ideias estão alinhadas com o sentimento, com os gestos. Na verdade não é "finalmente", me sinto no começo.

Sim, estou completamente entregue ao sonho, trabalhando em força total para concretizá-lo.

Mãos em "carne-viva". O desgaste faz parte do processo.
E assim realizo partes dele a cada dia, mesmo nos dias em que acordo com a sensação de ter dormido abraçada a uma kryptonita.

Esses dias são muito difíceis, mas eu escolho continuar seguindo em frente.

Dias como hoje nascem, os frutos chegam.

A vida tem propósito.

"Eu sou, porque nós somos"


Brasil Ride 2012
Meia maratona do Rio Julho 2011
Short de Triathlon em Santos Dezembro 2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário